logomarca

MST lança marca de alimentos orgânicos no RS


Cooperativas de famílias assentadas da Reforma Agrária no RS comercializarão seus produtos sob a marca ‘Terra Livre Agroecológica'

No último dia 30 de março, as Cooperativas constituídas por famílias assentadas da Reforma Agrária no Rio Grande do Sul lançaram a marca de alimentos orgânicos ‘Terra Livre Agroecológica’. O evento aconteceu durante a 18ª Abertura da Colheita do Arroz Agroecológico, realizada de forma virtual pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) devido à pandemia.

A Terra Livre Agroecológica é uma iniciativa de quatro empresas sociais das regiões Carbonífera, Costa Doce e Metropolitana de Porto Alegre: Cooperativa dos Trabalhadores Assentados da Região de Porto Alegre (Cootap), de Eldorado do Sul; Cooperativa de Produção Agropecuária Nova Santa Rita (Coopan), de Nova Santa Rita; Cooperativa de Produção Agropecuária dos Assentados de Tapes (Coopat), de Tapes; e Cooperativa de Produção Agropecuária dos Assentados de Charqueadas (Copac), de Charqueadas.

Conforme Nelson Krupinsk, da direção e setor de comercialização da Cootap, a marca trabalha somente com produtos orgânicos certificados, ou seja, cultivados sem o uso de agrotóxicos, fertilizantes químicos e outros aditivos sintéticos. “Ela reafirma o nosso compromisso com a agroecologia, com a sustentabilidade das famílias e assentamentos”, ressalta.


Quatro tipos de arroz

 

A Terra Livre Agroecológica oferece aos consumidores quatro opções de arroz: agulhinha integral, agulhinha polido, agulhinha parboilizado e cateto integral. Ainda possui a linha vegetal, que considera no beneficiamento a matéria-prima disponível em cada estação do ano. Assim, produz sucos integrais de uva, amora, laranja, laranja/bergamota; geleias de uva e amora; e extrato e molho de tomate.

Sandra Rodrigues, da coordenação do setor social e organizativo da Cootap, explica que a qualidade orgânica é confirmada por empresas credenciadas junto ao Ministério da Agricultura. No caso do arroz, esse processo é feito por auditoria pelo Instituto Mercadológico de Orgânicos (IMO), o que permite às cooperativas comercializarem seus produtos não apenas no Brasil, mas também nos Estados Unidos e na Europa.

O arroz ainda recebe, junto à linha vegetal, a certificação participativa, que é realizada pela Cooperativa Central dos Assentamentos do Rio Grande do Sul (Coceargs). “Nossos produtos são cultivados e processados com carinho e cuidado em todas as etapas, preservando a saúde da terra, dos agricultores e dos consumidores”, afirma Sandra.

Coletivo

A produção ocorre em assentamentos de várias regiões do estado, localizados nos municípios de Eldorado do Sul, Nova Santa Rita, Viamão, Encruzilhada do Sul, Manoel Viana, Tapes, São Jerônimo, Santa Margarida do Sul, Canguçu, Guaíba, Charqueadas e Vacaria. Além disso, há pequenos agricultores parceiros nos municípios de Ipê, Casca, Aratiba, Erechim e Pareci Novo.

Segundo Sandra, o objetivo das cooperativas do MST com os seus produtos é evidenciar os valores da agroecologia e do cooperativismo, seguindo a estratégia da Reforma Agrária Popular. “Isso compreende novas relações de gênero, a democratização da terra e dos meios produtivos, o fortalecimento da soberania popular, a organização de cadeias produtivas, a participação ativa das bases, a aliança com organizações sociais e a luta política, com o objetivo construir um mundo melhor para a humanidade”.

A Terra Livre Agroecológica foi pensada pelas cooperativas junto à Malena Ki, empresa de Porto Alegre que criou uma estratégia para a marca, envolvendo uma nova identidade visual. Patrícia Campos, designer regenerativa, conta que o principal desafio era mostrar a essência dos produtores, desmistificar e ressaltar que o MST é o maior produtor de arroz orgânico da América Latina.

Ela destaca que o trabalho coletivo e as imersões no cotidiano dos agricultores foram fundamentais para o desenvolvimento da marca. “No arrozal pudemos ver um verde infinito que emendava com o azul do céu, mas que no fundo concentrava muitas cores, pois o arroz depende dos quatro elementos para sobreviver, desde a germinação da semente até a colheita: a terra, o ar (vento), o calor (sol e fogo) e a água”. Todos esses elementos compõem, inclusive, as novas embalagens do arroz.

Destino da produção
Os produtos da Terra Livre Agroecológica são comercializados para escolas e entidades através de iniciativas institucionais, como o Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae) e o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Também abastecem feiras em diversos municípios gaúchos, especialmente em Porto Alegre e região Metropolitana, e em outros estados.

Além disso, estão à venda nas unidades do Armazém do Campo nas capitais e em mais de 150 lojas especializadas nos estados do RS, Santa Catarina, Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Bahia, Espírito Santo e Distrito Federal.

Como contatar
A comercialização ainda ocorre para grupos de consumidores. Sandra relata que em função da pandemia aumentaram os pedidos online de alimentos da Reforma Agrária, incluindo os produtos da marca, que são entregues à domicílio. Interessados podem adquiri-los no e-commerce terralivre.coop.br ou pelo WhatsApp +55 51 9526-1947.

Quem preferir pode comprar os produtos na sede da Cootap, em Eldorado do Sul (Estrada da Arrozeira, 2500), e nas demais cooperativas que compõem a rede de comercialização da Reforma Agrária: Cooperativa Terra Livre, Coopan Coopat

 

EXTRA CLASSE


Por César Fraga / Publicado em 6 de abril de 2021

Leia Mais: