Transgênicos: biosegurança e cidadania

Por: Prof. Livre Docente.Maria Alice Garcia Departamento de Zoologia, Inst. De Biologia, UNICAMP

 Muita confusão e pouca informação tem chegado ao cidadão comum sobre os riscos ambientais e para a saúde associados aos alimentos transgênicos.

 A realidade é que a promessa da biotecnologia não se cumpriu na área de alimentos, uma vez que os produtos que hoje chegam ao mercado não trazem qualquer tipo de vantagem em qualidade para o consumidor e tampouco são mais baratos.  Os possíveis benefícios ao produtor também são

questionáveis, tendo em vista que não se alcança maior produtividade com
plantas alteradas.  Trata-se muito mais de uma corrida comercial.  O interesse em recuperar rapidamente os investimentos de grandes corporações e de garantir mercados futuros de sementes faz com que esses
produtos sejam empurrados goela abaixo de governos e da população, atropelando a legislação e a demanda de pesquisas que garantam a

biosegurança, em relação à saúde e meio ambiente.

Muitos desses produtos, como as sementes modificadas para tolerância a herbicidas, representam o que chamamos de produtos da biotecnologia suja, pois adiciona aos riscos já existentes do uso de agrotóxicos, dos quais continua dependente, os riscos da nova tecnologia, tais como: rápido desenvolvimento de resistência em ervas daninhas, desenvolvimento de superpragas, invasão de áreas naturais.  Da mesma forma, plantas modificadas para produzir seu próprio inseticida, com a adição de genes que as tornem letais para alguns insetos, também podem levar rapidamente à seleção de linhagens de insetos resistentes, ao surgimento de novas pragas, à morte de espécies não alvo, reduzindo a biodiversidade.  Podem levar, ainda, a mudanças nos processos de ciclagem de nutrientes após

incorporação dos restos culturais ao solo, com implicações imprevisíveis para a fertilidade e outras características da microbiota, da fauna e da flora de agroecossistemas.  Como o desenvolvimento de resistência será apenas uma questão de tempo, caso o uso desses transgênicos se generalize, essa tecnologia eliminará uma das importantes ferramentas do controle biológico de pragas, que é o uso, no momento certo, da mesma bactéria de onde foi extraído o gene para modificar as plantas.

 Somam-se aos riscos ambientais aqueles relacionados à saúde humana.

Esses riscos derivam mais da insegurança a respeito da estabilidade da modificação genética e de sua expressão.  Derivam também do fato das modificações genéticas promovidas serem mais complexas do que a inserção de apenas uma característica de um organismo em outro.  Genes promotores e marcadores acompanham o gene exógeno a ser inserido.  A combinação de efeitos de possíveis modificações de localização desses genes, para a planta e para seres humanos, ainda é uma incógnita.  Entre os riscos apontados estão a possibilidade desses genes virem a se inserir em partes do genoma onde promovam a produção de novas substâncias que poderão ser tóxicas, ou outros produtos nocivos.

 

É, portanto, plenamente legítima a inquietação dos cidadãos a respeito dos transgênicos.  A rotulagem dos produtos é importante mas não oferece

respostas a essas inquietações.  O que está em jogo é também a responsabilidade dessa geração, incluindo o poder público, em zelar pelas condições do ambiente e de qualidade de vida no presente e das

próximas gerações.

 

Prezado João
Escrevi um artigo de divulgação sobre transgênicos, que foi publicado no
Jornal do Engenheiro, número 151, de 16 a 31 de agosto. Estou colocando
em anexo, para você divulgar na rede, colocando a procedência, se achar
conveniente.

Abraço
Prof. Maria Alice

Leia Mais:

Banco Central     Associe-se
Próximo Nó

Orgânico