Herbicida “provavelmente cancerígeno” é um dos mais utilizados no mundo


Conheça o Glifosato, agrotóxico usado em diversas culturas agrícolas que gera muita polêmica por conta de seus efeitos nocivos à saúde

Famoso e polêmico, o herbicida glifosato (N-fosfonometil-glicina) é um dos dez agrotóxicos mais consumidos no Brasil. Seu princípio ativo foi o mais utilizado em 2013, de acordo com o Sistema de Agrotóxicos Fitossanitários (Agrofit). O glifosato é um ácido orgânico fraco formado por uma molécula de glicina e outra de fosfonometil, sendo a sua forma mais frequente o sal de isopropilamina, usualmente associado com o surfactante polioxietilenoamina (POEA).

Estudos mostram que atualmente essa substância está amplamente espalhada pelo meio ambiente, contaminando vários alimentos consumidos no dia a dia e estando presente em nosso organismo. Sua ingestão, mesmo em baixos níveis, já é associada à presença de intoxicação e traz problemas para a saúde humana.

Presença em nosso cotidiano

O glifosato age sobre todas as plantas com as quais têm contato. Ele é considerado sistêmico, pós-emergente e não seletivo, o que significa que elimina quaisquer plantas sobre as quais seja aplicado, independente da espécie ou da parte da planta em que o produto caia. Usado em diversas culturas agrícolas em todo o mundo, o herbicida é aplicado em várias formulações comerciais, sendo a principal delas o Roundup in, no qual o glifosato é formulado como o sal de isopropilamina.

O mercado global de herbicidas com glifosato foi avaliado em US$ 5,46 bilhões em 2012 e deve chegar a US$ 8,79 bilhões até 2019. Suas vendas decolaram no final da década de 1990, depois que a Monsanto criou sua marca de culturas Roundup Ready, que foram geneticamente modificadas para tolerar o produto químico, permitindo que os agricultores pulverizem seus campos para matar as ervas daninhas, deixando a cultura ilesa. Hoje, os colheitas Roundup Ready representam cerca de 90% da soja e 70% do milho e algodão cultivados nos Estados Unidos. No Brasil, o cenário é muito pior, pois mais da metade das substâncias usadas aqui é proibida em países da União Europeia e nos EUA.

Esse agrotóxico é aplicado nas culturas de arroz, café, cana-de-açúcar, milho, pastagem, soja, sorgo, trigo e outras. São produtos altamente tóxicos e seu uso é proibido em países como Dinamarca, Suécia e Noruega, entre outros.

Existe um enorme debate científico e político em torno do glifosato. A polêmica ganhou força em 2015 após o braço de pesquisa oncológica da Organização Mundial de Saúde (OMS) atribuir à classificação da substância mais um grau de risco, caracterizando-a como 2A (a escala vai de 1, “cancerígeno para humanos”, a 4, “provavelmente não cancerígeno para humanos”). Além disso, em um estudo publicado pela revista científica Lancet, a Agência Internacional de Pesquisa de Cancro (IARC, na sigla inglesa) aponta “provas limitadas” de uma maior propensão para o linfoma de não-Hodgkin em trabalhadores expostos ao Glifosato após análises conduzidas na Suécia, Estados Unidos e Canadá. A IARC cita ainda outro estudo que indica o aumento de marcadores tumorais em populações de regiões colombianas onde o herbicida é utilizado. Em ratos, foi identificada “prova suficiente” da relação entre a exposição ao Glifosato e o desenvolvimento de tumores no sistema urinário, no pâncreas e na pele.

Esses estudos geraram grandes debates sobre a permissão de sua comercialização. Na Europa, em 2016, não houve consenso sobre a proibição do uso do herbicida, levando então à extensão de sua concessão para uso por mais 18 meses, a espera das conclusões da Agência Europeia de Produtos Químicos, mas já há proibições de seu uso não-comercial em áreas públicas e restrições sérias ao uso na agricultura. Uma campanha envolvendo organizações não governamentais de 15 países europeus luta para que essa permissão não seja renovada.

Em países como a França e a Alemanha, já não é permitido o uso de produtos transgênicos, logo, não há comercialização de produtos tratados com glifosato, sendo autorizado somente o uso do produto para culturas perenes. Essa permissividade irá acabar até 2022 na França, tendo sido anunciado no final de setembro de 2017 pelo porta-voz do governo francês, Christophe Castaner, que o Executivo proibirá, até o fim do mandato atual, todos os usos do Glifosato, inclusive agrícolas.

Os reguladores dos EUA consideram como Ingestão Diária Aceitável (IDA) de Glifosato 1,75 miligramas por quilo de peso corporal (1,75 mg/kg/dia). Na União Europeia, esse limite é de 0,3 mg/kg/dia. Esses níveis de tolerância foram definidos com base em estudos patrocinados pelas próprias corporações fabricantes de agrotóxicos e mantidos em sigilo em nome do segredo industrial. Uma equipe de cientistas internacionais reclama para que haja uma IDA muito mais baixa, de 0,025 mg/kg/dia – 12 vezes inferior ao definido atualmente na Europa e 70 vezes menor que o permitido nos EUA.

Nos EUA, em 2014, depois da divulgação de que o glifosato é possivelmente cancerígeno e de terem sido encontrados, por meio de estudos, vestígios do herbicida na água, comida, urina e no leite materno, a Agência de Proteção Ambiental dos EUA (EPA, na sigla em inglês) anunciou exigências sobre a implantação de um plano de manejo para o glifosato.

Já no Brasil, o limite de ingestão é de 0,042 mg/Kg/dia, com um detalhe: o glifosato não está incluído nos testes da Anvisa para resíduos de agrotóxicos em alimentos, muito embora sua comercialização tenha aumentado, triplicando sua importação em 2016.

Mecanismo de ação

O mecanismo de ação do glifosato é bastante singular. Ele é o único herbicida capaz de inibir especificamente a enzima 5-enolpiruvil-chiquimato-3-fosfato-sintase (EPSPs), que catalisa a condensação do ácido chiquímico e do fosfato piruvato, evitando assim a síntese de três aminoácidos essenciais – triptofano, fenilalanina e tirosina. Ao impedir a síntese desses aminoácidos, fundamentais para o crescimento dos vegetais, o herbicida leva a planta à morte por inanição.

Efeito na saúde

Várias empresas afirmam que o glifosato tem baixa toxicidade para os animais, incluindo os humanos, declarando que muitos estudos realizados por autoridades nos últimos 40 anos não mostraram nenhum risco inaceitável para a saúde humana. No entanto, o que as autoridades públicas fazem é somente avaliar os estudos feitos pela empresas que se candidatam a fazê-los para obter autorização regulatória para seus produtos.

Muitos desses estudos seguem protocolos desatualizados, projetados há 50-100 anos para avaliar riscos decorrentes de exposição aguda de venenos brutos, não sendo adequados para revelar riscos de baixa exposição durante um longo período. Essas pesquisas são também guardadas como segredo industrial, de forma que não podem ser examinadas por cientistas públicos ou independentes.

Em contraste, numerosas pesquisas realizadas por cientistas independentes da indústria mostram que o glifosato, o ingrediente ativo presumido do Roundup, é tóxico. Além disso, as formulações comerciais de herbicidas de glifosato, como o Roundup, contêm ingredientes adicionados (adjuvantes) e são mais tóxicas do que o glifosato sozinho. Portanto, as garantias da segurança do glifosato não se aplicam às formulações completas, já que são substâncias química e biologicamente diferentes.

Um teste realizado pela Administração de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos (FDA, na sigla em inglês) para verificar a presença de resíduos de glifosato em alimentos encontrou níveis alarmantes de contaminação em vários produtos, mostrando a ineficiência da regulação de resíduos de pesticidas. Outro estudo, Glifosato: inseguro em qualquer prato, solicitado pelas organizações Food Democracy Now!The Detox Project, também reuniu pesquisas independentes, realizadas em outros países, que chegaram aos mesmos resultados.

Os testes promovidos pelo Food Democracy Now! revelaram concentrações alarmantes de glifosato em muitos alimentos populares. Salgadinhos Doritos, da Pepsico, flocos de milho da Kellogg’s e biscoito Oreo, da Kraft Foods, obtiveram resultados entre 289,47 e 1.125,3 partes por bilhão (ppb). Já é provável que o glifosato cause dano em níveis muito baixos, como 0,1 ppb. Em 0,005 ppb há danos nos rins e fígado de ratos, por conta de alteração nas funções de 4.000 genes. Se comparamos esses dois dados percebemos quão suscetíveis estamos aos efeitos de intoxicação por glifosato, levando estudos independentes a concluir que não há nível seguro de glifosato para a saúde humana e animal.

O herbicida é associado a desordens gastrointestinais, obesidade, diabetes, doenças cardíacas, depressão, autismo, infertilidade, câncer, mal de Alzheimer, mal de Parkinson, microcefalia, intolerância ao glúten e alterações hormonais. A lista dos males atribuídos à ingestão de glifosato não para de crescer.

Em março de 2015, a Agência de Pesquisa sobre Câncer (IARC, na sigla em inglês) da Organização Mundial de Saúde (OMS) declarou ser o glifosato “provável causador de câncer humano”. A decisão foi baseada em pesquisas de 17 especialistas em câncer de 11 países, que se reuniram para avaliar o potencial cancerígeno de cinco pesticidas. Os tipos de câncer que se mostraram mais preocupantes foram: Linfoma Não Hodgkin, câncer de osso, câncer do cólon, câncer de rim, câncer de fígado, melanoma, câncer do pâncreas e câncer de tireoide. No começo de 2013, foram revelados documentos que mostram que a Monsanto encobriu o potencial carcinogênico do glifosato por muito tempo.

 

Seu uso também está relacionado com o desenvolvimento de microcefalia. Em 2009, o médico geneticista e pesquisador argentino, Andrés Carrasco, publicou uma pesquisa científica mostrando sérios efeitos do glifosato na ocorrência do nascimento de bebês com microcefalia e outras deformações.

Um número crescente de evidências científicas aponta o glifosato como desregulador endócrino. Há mais de duas décadas estudos vêm mostrando que mesmo um baixo nível de exposição a certos produtos químicos, o Glifosato entre eles, pode alterar a produção e recepção de hormônios vitais para o corpo, permitindo o desenvolvimento de problemas reprodutivos, abortos e reduzindo a fertilidade. As mudanças nos níveis hormonais também podem resultar no início prematuro da puberdade, obesidade, diabetes, problemas com a função imune e comportamentais, como déficit de atenção e hiperatividade.

Novas pesquisas geram crescente preocupação quanto aos prováveis efeitos deste herbicida no equilíbrio do microbioma gastrointestinal, ou bactérias intestinais benéficas, associando seu consumo ao aumento do número de espécies patogênicas. Algumas das consequências são a síndrome do intestino irritável e a intolerância a glúten.

Um estudo divulgado pela Associação Argentina de Jornalistas Ambientais, publicado em março pela Sociedade Americana de Microbiologia na revista científica mBio Magazine, correlaciona o herbicida glifosato - e outros dois herbicidas amplamente utilizados na agricultura, com o desenvolvimento de bactérias super-resistentes. O estudo demonstrou que a exposição aos herbicidas comerciais são capazes de modificar a forma com que as bactérias respondem a uma série de antibióticos de uso comum.

Cientistas descobriram também que pessoas cronicamente doentes têm níveis “significativamente mais altos de glifosato na urina do que pessoas saudáveis”. Foi verificado ainda que pessoas com dieta convencional têm muito mais resíduos deste agrotóxico do que aquelas que se alimentam com comida orgânica.

Distribuição e transporte no meio ambiente

A absorção e o deslocamento do glifosato são influenciados por diversos fatores, incluindo características da planta, condições ambientais, concentração do herbicida, tipo de surfactante utilizado e o método de aplicação.

glifosato interfere em diversos aspectos do metabolismo secundário das plantas, tais como: na síntese do ácido indolilacético (IAA), na síntese do etileno, na síntese de compostos fenólicos, na síntese de aminoácidos e de proteínas, na ultraestrutura celular, na permeabilidade de membranas, na síntese de clorofila, na fotossíntese, respiração e transpiração, na germinação de sementes e desenvolvimento das plantas, entre outras mais.

A planta contaminada tem o crescimento da parte aérea e do sistema radicular diminuído, além de perda da resistência contra doenças, mesmo com doses baixas como a dos produtos comerciais.

Sabe-se que o herbicida se desloca da planta-alvo (invasora) para a planta não alvo (cultura econômica) através do contato radicular. Esse fenômeno foi comprovado em pesquisas recentes com 14C-glifosato e também pela medida do chiquimato (aceito hoje como método para avaliar a contaminação por glifosato).

Um estudo da Food Democracy Now! mostrou que o uso de glifosato nos EUA levou à contaminação do meio ambiente em larga escala. Recentemente, foram descobertos resíduos deste herbicida na água, em vários alimentos consumidos no dia a dia, na urina humana, no leite materno e na cerveja, entre outros.

O herbicida está tão espalhado no meio ambiente que, segundo pesquisa feita pelo Órgão de Pesquisa Geológica dos EUA (U.S. Geological Survey – USGS), sua presença foi detectada em mais de 75% de amostras de ar e de água de chuva no estado do Mississipi, nos EUA, juntamente com a do metabólito AMPA, um derivado tóxico da degradação do glifosato no meio ambiente.

Sabe-se que a pulverização aérea deste herbicida leva-o não só às culturas, mas também a copos d’água e nuvens, pela evaporação, que podem precipitar em locais distantes causando então sua distribuição em locais muito afastados de sua aplicação.

O glifosato adere fortemente ao solo, não sendo esperado por isso que ele e o AMPA passem para águas subterrâneas. No entanto, ele tem o potencial de contaminar águas de superfície por conta da possível erosão de sedimentos ou partículas suspensas que foram levadas até a água superficial e que contenham o glifosato. Além disso, o agrotóxico não se quebra facilmente nem na água nem por fotólise. Sua mineralização é favorecida pelo contato com as partículas do solo nas quais adere, dificultando ainda mais sua degradação, sendo que o glifosato tende a persistir durante mais tempo em condições aeróbias do que anaeróbias.

Um estudo de monitorização realizado na Dinamarca entre 1999 e 2009 revelou que o glifosato poderia ser transportado de terrenos contaminados para águas subterrâneas e rios através da infiltração das águas de chuvas (com precipitação superior a 50 mm/dia).

Além disso, seu uso causa crescimento do número de “ervas daninhas” resistentes ao glifosato, o que leva muitos fazendeiros a usarem ainda mais o herbicida, de modo que há uma maior concentração de glifosato sendo consumido.

Então, há como evitá-lo?

Há uma situação de descontrole por conta da falta de fiscalização, da corrupção e pelo fato de as grandes multinacionais que fabricam esses venenos dominarem a mídia, serem responsáveis por quase todos os estudos e terem grande influência sobre as decisões em torno de sua utilização.

Infelizmente, muitos estudos são abafados por essas empresas e seus produtos continuam sendo altamente comercializados, destruindo de forma acelerada o meio ambiente, a saúde humana e afetando as gerações futuras.

Como a contaminação por este produto em alimentos não pode ser removida pela lavagem e não é eliminada com cozimento, congelamento ou processamento da comida, não há outra forma de evitá-lo sem ser não consumir alimentos que o contenham.

Existem no mercado alternativas para o combate de pragas e ervas daninhas, como, por exemplo, ácidos naturais feitos à base de vinagre e ácido cítrico. Esses são alguns dos métodos utilizadas na agricultura orgânica, que é o cultivo de alimentos que não levam nenhum tipo de substância danosa ao meio ambiente durante seu processo de produção.

 

 

 

 


Leia Mais:



SIGA NOS

Rede de Agricultura Sustentável
É um serviço gratuito de Cristiano Cardoso e L&C Soluções Socioambientais.