Agrotóxico provoca anomalia em criança

Um casal humilde de Aracaju busca atendimento médico de qualidade para o filho, que sofre pela contaminação com agrotóxicos, transmitida geneticamente pelo pai. Matheus, de oito anos, está com problemas na genitália e sofre com problemas nervosos e oculares. Os pais, que se assustaram com a informação de que o problema pode atingir ainda seus netos e bisnetos, buscam no poder público a solução para o drama familiar.

O aposentado Vital Araújo Dória, que também sofre pela contaminação com agrotóxicos, relata o sofrimento do filho, Matheus. "Eu estou morrendo, com vários problemas de saúde. E agora tenho que cuidar do menino o dia inteiro. Se não fosse por mim, ele já tinha morrido. Ele tem problemas nervosos, não consegue dormir, e também não come. Fica sem apetite o dia inteiro. Além disso, a vista dele está atrofiando. É um sofrimento muito grande", comentou Vital.

A servidora pública Maria do Carmo Dória, que corre atrás de toda a documentação para garantir qualidade de vida para o esposo e o filho, relata as dificuldades. "Em 2008 eu dei entrada em um pedido no Ministério Público Federal para conseguir atendimento médico ao meu marido e somente esta semana recebi um ofício. Também já entrei com um processo de insalubridade para Vital, mas até agora não recebemos nada. Também denunciamos o médico perito que o analisou por conta de negligência", declarou.

Vital trabalhou por vários anos como balconista na Companhia Agrícola de Sergipe, até que um dia começou a se sentir mal, quando trabalhava em Itabaiana. Após exames médicos, foi constatado que estava sofrendo de vários males por causa do contato frequente com agrotóxicos, sendo diagnosticados problemas no coração, fígado e próstata. "Quando ele soube, chorou demais, principalmente quando começou a ver o depoimento de outras pessoas que já haviam sido contaminadas", comentou a esposa.

A servidora, que chegou a sofrer cinco abortos por conta da contaminação sofrida pelo esposo, falou também sobre o medo de ver os futuros descendentes sofrerem dos mesmos males. "Ele só começou a sofrer os efeitos depois de muitos anos. Aqui no Brasil, esses produtos entram com facilidade e depois as pessoas começam a morrer sem saber o motivo. O pior é que a gente viu uma pesquisa falando que esses problemas podem chegar até a quarta geração da família, o que significa que os filhos e os netos de Matheus também podem ter o mesmo problema", desabafou Maria do Carmo.

Emdagro fiscaliza uso e venda de agrotóxicos

Os principais pólos agrícolas de Sergipe e estabelecimentos comerciais que vendem agrotóxicos passam por uma fiscalização periódica. A Empresa de Desenvolvimento Agropecuário de Sergipe (Emdagro), órgão estadual responsável pela fiscalização, verifica o cumprimento de regras como apresentação de receita agronômica, equipamentos de proteção individual e o intervalo para aplicação dos agrotóxicos e a colheita da produção. Esse trabalho visa controlar o uso indiscriminado do produto, que atinge principalmente as hortaliças.

A coordenadora de Defesa Vegetal da Emdagro, Maria Aparecida Nascimento, ressaltou a necessidade de medidas de segurança no uso desses produtos. "O uso de agrotóxicos é uma tecnologia importante no controle de pragas, doenças e ervas daninhas, mas podem ser perigosos se forem usados de forma errada. Portanto, para ser utilizado deve existir uma estrutura técnica capacitada, para que sejam obedecidas as exigências legais e não ocorra nenhum impacto em toda cadeia produtiva", explicou.

Nas propriedades agrícolas, a equipe da Emdagro exige a apresentação das receitas agronômicas dos agrotóxicos encontrados, o armazenamento correto dos produtos, equipamentos de proteção individual em perfeitas condições de uso e pulverizadores em perfeitas condições. Também é verificado se está sendo respeitado o período de carência na lavoura e o período de reentrada no local da pulverização, além da devolução correta das embalagens vazias. Já nos estabelecimentos comerciais, as exigências são: cópias das receitas agronômicas, conferência do estoque com a quantidade declarada na Emdagro, armazenamento dos agrotóxicos, validade dos produtos, validade do certificado, entre outros itens.

A Coordenadoria de Defesa Vegetal da Emdagro realiza também um trabalho de Educação Sanitária junto ao agricultor, com objetivo de alertar os riscos do uso inadequado dos agrotóxicos. Além disso, o órgão divulga tecnologias alternativas de controle de pragas na agricultura, com uma nova abordagem de agricultura, a agroecologia, que tem como objetivo produzir alimentos mais saudáveis e naturais tendo como principio básico o uso racional dos recursos naturais.

Cuidados a serem adotados

1. Só comprar agrotóxicos através da receita agronômica emitida por engenheiro agrônomo;
2. Usar equipamento de proteção individual em todas as etapas, lavando corretamente o equipamento após o final da pulverização;
3. Proibir menores de 18 anos, maiores de 60 anos e mulheres de manusear agrotóxicos;
4. Transportar agrotóxicos;
5. Armazenar os agrotóxicos em local seguro;
6. Respeitar o período de carência ou intervalo de segurança de cada produto;
7. Devolver embalagens vazias aos estabelecimentos comerciais em que foram adquiridos em até um ano após a compra.

Fonte; Circuito MT em 17/08/2010 Por Fernando Pires/Alagoas 24 Horas

div>

Leia Mais:


Rede de Agricultura Sustentável
É um serviço de Cristiano Cardoso e L&C Soluções Socioambientais.

Siga-nos Twiiter rss Facebook "Whatsapp 88 9700 9062" Google+