Paraná Aumenta uso de agrotóxico

CURITIBA - Um levantamento da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) feito com nove produtos agrícolas vendidos em supermercados de Curitiba revela que 15% das amostras coletadas estavam contaminadas com agrotóxicos. Os níveis encontrados ultrapassaram o limite permitido por lei ou então o alimento tinha a presença de algum defensivo proibido para aquela cultura.

"Para o consumidor há riscos de saúde", diz o gerente-geral de toxicologia da Anvisa, Luiz Cláudio Meirelles. Pesquisas científicas mostram que o consumo freqüente de alimentos com contaminação acima dos limites previstos pela lei, ao longo de anos, pode propiciar o desenvolvimento de câncer, doenças do sistema nervoso ou alterações nos hormônios, com implicações como a perda de esterilidade.

O grande vilão do levantamento foi o morango. Quase metade das amostras (48,6%) estavam irregulares. Em seguida, veio o tomate, com 28,9% de amostras contaminadas.

O levantamento realizado em Curitiba, nos anos de 2001 e 2002, faz parte do Programa Nacional de Análise de Resíduos de Agrotóxicos. A Anvisa também pesquisou os mesmos produtos em São Paulo, Belo Horizonte e Recife e divulgou os resultados nacionais no início do mês. O índice de irregularidades nas quatro capitais juntas chegou a 22%.

O objetivo da Anvisa é ampliar o programa para outros estados. "A idéia é estabelecer um monitoramento constante em todo o país", diz Meirelles. Segundo ele, esses dados servirão para orientar a fiscalização no campo, para estabelecer políticas de controle do uso indiscriminado de defensivos agrícolas e também vão munir os consumidores de informações para que exijam produtos de melhor qualidade.

O diretor no Paraná do departamento de aprendizagem rural do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar), José Carlos Gabardo, explica que os níveis de contaminação acima do permitido por lei podem ser evitados mediante a correta aplicação do agrotóxico. Segundo ele, um defensivo às vezes é indicado para uma cultura e não para outra. Se a pessoa não tiver conhecimento técnico também pode errar na dosagem do veneno. Há também agrotóxicos que exigem uma espécie de quarentena. Depois de aplicados, o produto não pode ser colhido e vendido até que um determinado tempo se passe. "O tempo de carência chega a ser de 90 dias", diz ele.

"A educação do agricultor é fundamental", afirma Gabardo. Desde 1993, o Senar já treinou 58 mil trabalhadores rurais no Paraná a fazerem a aplicação correta do agrotóxico. Mas, segundo ele, antes de os alunos passarem pela sala de aula, o nível de informação e de conscientização é muito baixo.

Outro problema é o desrespeito deliberado à lei. "No interior, há muitos casos de venda de defensivos sem a receita do agrônomo", diz o chefe da seção de fiscalização do receituário da Secretaria Estadual da Agricultura, Reinaldo Skalisz. A extensão da área agrícola é outro obstáculo para a fiscalização. O Paraná tem 300 mil propriedades rurais e apenas 80 fiscais na secretaria.

Da Gazeta do Povo, Terça-feira, 21 de Janeiro de 2003


Leia Mais:


Rede de Agricultura Sustentável
É um serviço de Cristiano Cardoso e L&C Soluções Socioambientais.

Siga-nos Twiiter rss Facebook "Whatsapp 88 9700 9062" Google+