Linhagens da Agricultura Regenerativa

Existem 5 principais linhagens intelectuais e práticas de pessoas que estão usando o termo “Agricultura Regenerativa”.

Cada linhagem tem uma definição, filosofia agrícola e abordagem diferente para o crescimento de sua comunidade. No ano passado, um deles ultrapassou rapidamente (mas silenciosamente) os outros.

Este artigo irá ajudá-lo a esclarecer o que as pessoas estão falando quando usam o termo e de qual perspectiva elas vêm.

Aqui estão as Cinco Linhagens da Agricultura Regenerativa:

1. Rodale Organic

Práticas básicas de agricultura orgânica promovidas pela Rodale desde a década de 1970, apelidadas de “Orgânica Regenerativa” nos últimos anos e exigindo os princípios da agricultura orgânica como base. O foco é o solo. As marcas CPG têm promovido fortemente essa linhagem, principalmente através da Certificação Orgânica Regenerativa.

Essa linhagem parece pensar que a “regeneração” é uma combinação de práticas de agricultura de conservação testadas há 40 anos – abrangendo corte, rotação de culturas, compostagem, plantio direto ou baixo. Essas são ótimas práticas para reduzir a erosão, insumos e (se praticadas com grande habilidade) começam a aumentar o carbono do solo.

No entanto, proponho que não existe uma “Prática de Agricultura Regenerativa” – somente os resultados sistêmicos podem confirmar que uma regeneração está ocorrendo.

2. Permacultura / Regrarians

A permacultura como um movimento global adora a ideia da agricultura regenerativa, mas na maioria das vezes não consegue atingir níveis significativos de produção agrícola.

Junto com um forte foco no design de pequena escala e nas crenças não comprovadas sobre a reversão da mudança climática, esta linhagem da Agricultura Regenerativa tende a ideais do movimento do potencial humano, focando em como criar “prosperidade” e “abundância” para todos.

Os regrarians, emergindo, mas transcendendo, a escala e o idealismo da permacultura, por décadas integraram os processos de Gerenciamento Holístico, Keyline e projetos ecológicos em escala rural em todo o mundo.

Na minha opinião, alguns dos melhores projetos de agricultura regenerativa vêm dessa linhagem – eles efetivamente integram o manejo agroflorestal, o planejamento hídrico abrangente, a construção de solos e a pecuária holística, ao mesmo tempo em que fortalecem a capacidade dos agricultores e a viabilidade econômica.

Design de fazenda regrarian (Fonte: Regrarians.org)

3. Gestão Holística

Promovido pelo Instituto Savory e pela Holistic Management International, com foco em uma estrutura abrangente de tomada de decisões projetada para a regeneração de ecossistemas centrados em animais.

Em 2018, o The Savory Institute lançou seu sistema Land to Market Ecological Outcome Verification, com o apoio de algumas marcas importantes de alimentos e moda. Este é o melhor padrão no mercado, em grande parte porque é baseado em resultados (em vez de baseado na prática) e requer uma linha de tendência positiva para melhorias do ecossistema.

Fonte: Holistic Management International

4. Paradigma Regenerativo

Mais de 50 anos atrás, o termo “Regenerativo” foi desenvolvido por Charles Krone para descrever um paradigma radicalmente diferente de abordagem do desenvolvimento humano e de sistemas.

Guiada pelo Instituto Carol Sanford, uma pequena mas eficaz comunidade de práxis, incluindo a Regenesis, a Terra Genesis International, a Regen.Network e outras, aplicou o paradigma de Negócios, Design, Planejamento, Educação e Agricultura.

A explicação mais completa (até agora!) da agricultura sob a perspectiva desta linhagem está disponível gratuitamente no artigo ‘Levels of Regenerative Agriculture’.

5. Lucros do solo / plantio direto / NRCS

Tipificada e liderada por Ray Archuleta, Gabe Brown e outros, esta linhagem atrai práticas e inspiração de outras linhagens, mas apela fortemente aos agricultores convencionais, evitando os dogmas da agricultura orgânica e concentrando-se nos lucros finais através do aumento da saúde do solo.

Essa linhagem é a que eu vejo silenciosamente experimentando crescimento exponencial – dominando as menções da Agricultura Regenerativa nos jornais da América Central (que eu acompanho, de maneira um tanto obsessiva, na revista mensal Regeneration Newsroom) e na verdade sendo adotada pelos grandes produtores convencionais.

Ignorando os preconceitos contra o “orgânico” e permitindo que os agricultores ainda usem insumos sintéticos, essa linhagem é recebida abertamente o suficiente para mostrar os argumentos econômicos para diminuir insumos e melhorar o solo por meio de boas práticas de rotação de culturas, plantio direto e pastagem.

A narrativa de que algo tão eficaz e sexy como a “Agricultura Regenerativa” está disponível para os agricultores convencionais é um grande negócio.

Embora eu ache que essa linhagem perde oportunidades por meio de sua abordagem incompleta e desintegradora, acredito que é incrivelmente importante para o mundo observar e apoiar seu crescimento e evolução.

Conclusão

Meu objetivo ao articular essas cinco linhagens é ajudar a discernir e distinguir os diferentes significados e filosofias em jogo quando alguém diz “Agricultura Regenerativa”.

Existe um significativo “hype regenerativo” que se expande para a consciência pública, principalmente através da indústria de produtos naturais, mas também impulsionado pelos recentes relatórios sobre mudanças climáticas e pelo diálogo político global.

Mais e mais organizações, indivíduos e empresas começarão a alegar que o que estão fazendo é “regenerativo”, sem mudar como estão pensando ou até mesmo o que estão fazendo.

Acho que entender de que linhagem um indivíduo ou organização está falando ajudará a todos a discutir e desenvolver os efeitos reais do trabalho nesse campo – há um grande potencial na Agricultura Regenerativa, e não estamos nem perto de alcançá-lo.

Fonte: beefpoint em 12/03/19 - por Ethan Roland Soloviev


Etiquetas (Categorias - tags)

Leia Mais:



SIGA-NOS

TwiiterfeedFacebookYoutube"Whatsapp 88 9700 9062"Instagram