Lixo começará a ser reciclado em Sorriso com implantação de usina de triagem



      A partir da próxima semana a Usina de Triagem de Lixo que foi construída no aterro sanitário, em Sorriso, deve começar a funcionar. A garantia é do secretário de Saúde em exercício, engenheiro sanitarista Marcelo Antonio de Oliveira. Segundo ele, as obras devem ficar prontas ainda hoje e a partir de terça ou quarta-feira os trabalhos devem começar.

      Inicialmente, segundo ele, a triagem do lixo será feita por funcionários da Secretaria de Obras que irão selecionar o lixo reciclável (latas, plástico, papel, garrafas e outros) chamado "lixo limpo" ou "lixo seco", do lixo orgânico. "A idéia é que a população separe o lixo em casa. Quando falamos em lixo limpo, é aquele lixo não contaminado, ou seja, a pessoa tomou um iogurte ou bebeu um refrigerante, antes de colocar no lixo lava o recipiente. Assim ele (recipiente) não estará contaminado", explicou. "Mas sabemos que isso de imediato não será possível então essa equipe irá fazer a separação do lixo reciclável do orgânico e prensá-los para serem vendidos", completou. O lixo não contaminado, segundo Marcelo, tem valor de mercado maior do que o considerado contaminado.

      O engenheiro sabe que o trabalho de conscientização da população é de longo prazo, pois "através de trabalhos já realizados em algumas cidades, a modificação da forma de pensar das pessoas e começar em casa o processo da seletiva do lixo, leva anos". "A participação da população será muito importante para o sucesso do projeto que tem como principal objetivo preservar o meio ambiente e reduzir o lixo que será destinado para o aterro", observou. A estimativa é que metade do lixo que vai para o aterro, seja orgânico, ou seja, 50% do que é jogado fora pode ser aproveitado. "A meta é num futuro transformar o lixo orgânico em matéria orgânica", adiantou.

      Marcelo Antonio falou que a meta é fazer com que a usina que custou aos cofres da prefeitura cerca de R$ 100 mil, seja administrada por uma cooperativa e todo o dinheiro arrecadado seja revertido para entidade. "No começo sabemos que o volume de lixo que será reciclado será pequeno mas o que for vendido até que uma cooperativa ou associação seja montada, o dinheiro será revertido para compra de equipamentos para a usina", assegurou quando perguntado sobre os recursos que seriam arrecadados por enquanto. Hoje a usina conta com uma esteira, silo e uma prensa horizontal. Marcelo disse que ainda restam outros equipamentos como uma prensa horizontal, triturador, entre outros.

fonte: Jornal Tangará da Serra em 11/11/2004


Leia Mais:



Rede de Agricultura Sustentável
É um serviço de Cristiano Gomes e L&C Soluções Socioambientais

Siga-nos Twiiter rss Facebook Google+