O que propõem as agriculturas alternativas

 

A agricultura orgânica estabelece práticas ecológicas para a produção de alimentos. As principais exigências são a conservação dos recursos naturais, a proibição do uso de sementes geneticamente modificadas, dos agrotóxicos e dos fertilizantes sintéticos, além da ética nas relações comerciais e de trabalho.

A história da agricultura orgânica começa no início da década de 20 com o trabalho do pesquisador inglês Albert Howard, autor do livro "Um Testamento Agrícola", de 1940. Em viagem pela Índia, Howard pesquisou os sistemas de produção dos agricultores daquele país, que não utilizavam fertilizantes químicos e aplicavam adubos orgânicos. Ele notou que as plantas e o solo eram muito mais saudáveis.

Outros movimentos de agricultura alternativa tiveram destaque. Na Alemanha, em 1924, Rudolf Steiner lançou as bases da agricultura biodinâmica. Na França, Claude Aubert, difundiu a agricultura biológica. No Japão, Mokiti Okada lançou a agricultura natural. Todas essas técnicas permaneceram marginalizadas até os anos 70, quando os cientistas começaram a avaliar o impactos da agricultura moderna no ambiente. A agricultura alternativa voltou a ganhar terreno na década de 90, após a crise da vaca louca. Surgem as empresas de certificação, com a proposta de avaliar e garantir a qualidade dos produtos.

fonte: Jornal Folha de São Paulo, terça-feira, 04 de dezembro de 2001


Leia Mais:



Rede de Agricultura Sustentável
É um serviço de Cristiano Gomes e L&C Soluções Socioambientais

Siga-nos Twiiter rss Facebook Google+