Pará exporta cacau orgânico para a Europa

 

O mercado europeu vai receber a segunda remessa de cacau orgânico produzido na região da Transamazônica, no Pará. Vinte e quatro toneladas de amêndoas foram embarcadas ontem, 14 de setembro, com destino à Áustria. A indústria de chocolates, Zooter, importa o cacau orgânico paraense para fabricação de chocolates finos comercializados no mercado internacional. A primeira remessa, de 48 toneladas, foi exportada em outubro do ano passado.

A produção da região da Transamazônica, que possui os certificados do Instituto do Mercado Orgânico e do Mercado Justo, se tornou referência de cacau orgânico. Uma exigência do mercado internacional, em que a lavoura é cultivada sem uso de agrotóxicos, não agrede o meio ambiente e confere qualidade superior ao produto.

A comercialização do cacau para a Áustria é feita diretamente pela Cooperativa de Produtores Orgânicos da Amazônia – Coopoam -, com sede no município de Medicilândia, sudoeste paraense. A Coopoam faz parte do Projeto de Produção Orgânica da Transamazônica, do qual fazem parte outras cinco cooperativas de agricultores que, juntos, produzem 500 toneladas de cacau.

O cacau é o primeiro produto comercializado pelo projeto, mas já existe produção orgânica de cupuaçu, pimenta, açaí e café, também certificados e em processo de organização da cadeia produtiva. Para atender as seis cooperativas do Projeto de Produção Orgânica, a Secretaria Estadual de Agricultura irá instalar, até o final deste ano, em Altamira (sudoeste, do estado, próximo a Medicilândia), o Centro de Referência do Orgânico, em parceria com a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacueira (Ceplac), Ministério da Agricultura, Fundação Viver, Produzir e Preservar. O centro irá auxiliar no armazenamento, embalagem e classificação de toda a produção, transporte e melhoria do processamento do cacau orgânico.

Fonte: Assessoria de imprensa do Governo do Pará.em 5/09/2009


Leia Mais:



Rede de Agricultura Sustentável
É um serviço de Cristiano Gomes e L&C Soluções Socioambientais

Siga-nos Twiiter rss Facebook Google+