Projeto insere produtos orgânicos de MS em mercados internacionais

Gestores das áreas de gestão estratégica, acesso a mercados e agronegócios do Sebrae nos estados de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás e Distrito Federal estão reunidos nesta quinta-feira em Campo Grande, durante todo o dia, para discutir a elaboração de um projeto regional de fomento aos setores de alimentos orgânicos, artesanato, turismo e da indústria moveleira na região Centro-Oeste.

“A proposta é ganhar forças para ter acesso aos mercados internos e externos”, diz a gerente de Gestão Estratégica do Sebrae/MS, Sandra Amarilha. Segunda ela, nesta primeira reunião, o grupo vai estruturar o projeto de comercialização integrada para o setor de orgânicos. “Estamos monitorando o ambiente de negócios e o que temos disponível. Os setores eleitos para este trabalho são considerados emergentes e estratégicos”.

A gerente de gestão estratégica do Sebrae em Mato Grosso, Eliane Ribeiro, diz que os estados estão seguindo uma tendência mundial de integração. “Países estão se unindo para enfrentar o mercado. Nosso desafio é dar visibilidade às micro e pequenas empresas do Centro-Oeste, que é uma região de peso na economia brasileira, mostrando que têm possibilidade de atender aos padrões de exigência internacionais”.

Na proposta de regionalização, cada estado ficará com a coordenação de um dos setores. Mato Grosso do Sul está responsável pelo setor de orgânicos. Segundo o consultor de produção orgânica do Paraná, Jair Pelegrin, estão sendo discutidos os gargalos e as oportunidades para o setor na região.

Durante a reunião, ele explicou que as principais dificuldades ainda são a falta de assistência técnica especializada e de entrosamento para a compra e venda. “Tem muita gente interessada em comprar e muita gente querendo produzir, mas não há um canal entre elas. As pessoas estão dispostas a comprar e até a pagar mais pelo alimento orgânico”, diz.

Ele disse que em Mato Grosso do Sul o ideal é direcionar o cultivo de hortaliças orgânicas para venda no mercado interno, enquanto que para comercializar em outros estados e para o mercado internacional os produtos mais indicados seriam a carne, o mel e produtos de extrativismo.

As discussões seguem até as 17h30, com o consultor de acesso a mercado Moacir Kretzmann, do Paraná. A próxima reunião do grupo será no dia 21 de outubro em Cuiabá (MT) sobre o setor da indústria moveleira.

Fonte:Fátima News em 6 de Outubro de 2008 - 14:30<http://www.fatimanews.com.br/canais/noticias/?id=75762>

Mais notícias   Associe-se