Cultivo orgânico é opção no PR

Na era da engenharia genética, muitos agricultores estão recuperando antigas práticas agrícolas. O exemplo é dado por produtores paranaenses que utilizam os recursos da natureza e a mão-de-obra familiar para produzir soja em sistema orgânico.

Levantamento da Emater-PR na safra 99/2000 mostra que no Paraná foram cultivadas 25 mil toneladas de soja em sistema orgânico em 13 mil hectares. Esse cultivo do grão é feito por 595 produtores e representa 50% do total de produção orgânica do estado. Os produtores paranaenses produzem ainda hortaliças, açúcar mascavo, café, frutas, plantas medicinais, erva-mate, milho, trigo, feijão, arroz, leite e frango.

O produtor Assis Pereira Viana, por exemplo, tem oito hectares de terra em Capanema, no Paraná, e toda a sua produção é orgânica. "A partir da tecnificação agrícola ficou difícil economicamente para os pequenos utilizarem o pacote tecnológico disponível no mercado. Esse foi o primeiro fator que me levou para o cultivo orgânico. Outro motivo foi a questão ambiental. Quero produzir um alimento saudável para a minha família, revela.

Aliás, para tocar seu pedaço de terra, Viana conta com a ajuda da esposa e do casal de filho. A prática da agricultura familiar e do cultivo orgânico é que possibilitam a sustentação econômica da propriedade.
"Os orgânicos geram menos custo de produção, porque a maioria dos insumos necessários para produzir se encontram na própria propriedade", afirma. "Meu cultivo orgânico é anterior ao interesse europeu por esses produtos, mas a exportação da soja tem ajudado a aumentar a nossa rentabilidade", admite.

Organização

Viana é um dos 300 agricultores do sudoeste paranaense que recebem orientação da Assessoar (Associação de Estudos, Orientação e Assistência Rural). A Assessoar é uma organização filantrópica que estimula o desenvolvimento da agricultura familiar num processo de cooperação entre os agricultores e busca de preservação ambiental.

O objetivo da associação é auxiliar na formação técnica dos produtores, na capacitação mercadológica e organizacional, além de se preocupar com a qualidade de vida deles. &quot;Nós orientamos, mas todo o processo é conduzido pelo agricultor&quot;, diz o engenheiro agrônomo Ary de Davi, da Assessoar. &quot;Esse ano, o número de produtores cadastrados na entidade para produção orgânica cresceu cerca de 60%&quot;.<br> <br>

Família lucra 40% a mais

Desde 1996 o produtor Dílson Martim Koskki também utiliza seus 16 hectares, em Santa Terezinha do Planalto, sudoeste paranaense, para cultivar soja, trigo e milho orgânico. Koskki e a esposa não utilizam mão-de-obra externa. Assim, o casal consegue alimentar a família com 80% do que produz nas suas terras. &quot;Temos a garantia de consumir alimentos saudáveis e ainda estamos garantindo a preservação ambiental&quot;, revela. <br>
<br>
Na cartilha da produção de soja orgânica, Koskki utiliza adubo orgânico, faz controle manual de plantas daninhas, controla os percevejos com compostos orgânicos e as lagartas da soja com o Baculovirus anticarsia.
quot;É assim que conseguimos produzir&quot;.

Além de colaborar com o equilíbrio da natureza, o casal está conseguindo equilibrar as contas. ;Com o sistema orgânico conseguimos lucrar 40% mais, por isso, percebemos que esse é o caminho para nossa região, que é formada basicamente por famílias de pequenos produtores&quot;.<br> <br>
Koskki vende sua produção de soja para a empresa Terra Preservada Indústria e Comércio de Alimentos Orgânicos Ltda, que compra produtos orgânicos para exportação. Na última safra, a empresa pagou US$ 12,00 pela saca de soja para o produtor que está no primeiro ano de cultivo orgânico e até US$ 15,00 para produtor com mais de três anos.<br> <br>
Em 93, a empresa comprava soja de 90 produtores e hoje adquire a produção de quase 500 pequenos e médios produtores do norte, oeste e sudoeste do Paraná, região de Campo Novo do Parecis (MT) e região de Passo Fundo (RS). &quot;A cada ano cresce cerca de 30% o interesse pelo cultivo orgânico&quot;, diz Darci Francisco dos Santos, gerente administrativo e comercial da empresa.<br>

Exportação

</b>No ano passado, foram adquiridos em torno de 10 mil toneladas de soja orgânica, produção destinada à Europa, Estados Unidos e Japão. A produção passou por processo de certificação, feito pelo Instituto Biodinâmico de Botucatu, SP, credenciado ao IFOAM, órgão internacional que regulamenta as normas de produção orgânica.<br>
<br>
Outra empresa que tem parceria com produtores que cultivam soja em sistema orgânico é a Gama Importadora e Exportadora, que está comemorando o interesse estrangeiro pelo produto &quot;made in Brazil&quot;. No ano passado, a empresa comprou 2,5 mil toneladas de produção orgânica.<br> <br>

Os produtores descobriram na agricultura orgânica uma forma de agregar valor à propriedade, porque a soja orgânica garante de 30% a 50% mais que o valor pago pela soja convencional&quot;, explica o engenheiro agrônomo Marcos Daniel Lena.<br>
<br>
-----------------<br>

 


<br>
<a href="http://parana-online.zip.net/agrícola/agrícola8.htm">http://parana-online.zip.net/agrícola/agrícola8.htm</a><br> <br>
</font><font face="arial" size=5>Tecnologias a serviço do cultivo orgânico<br>
<br>
</font><font face="arial" size=2>As tecnologias desenvolvidas pela Embrapa Soja também têm papel fundamental na viabilização do cultivo de soja em sistema orgânico. Na última safra, vários produtores utilizaram a BRS 36, variedade que é resistente a doenças, apresenta alto potencial de rendimento, fornece semente graúda (21,4 gramas por 100 sementes) e tem o hilo claro (pontinho escuro presente na semente).<br> <br>
Além disso, os produtores utilizam o controle biológico de pragas. O Baculovirus anticarsia controla as lagartas da soja. Tecnologia que pode eliminar quase totalmente a utilização de agroquímicos nas lavouras.
Esses controles naturais têm contribuído para a redução do uso de produtos químicos, como também tem modificado a qualidade do ambiente produtivo.<br>
<br>
Os produtores poderão também utilizar em sistema orgânico a BRS 155, cultivar indicada na última safra para o cultivo no Paraná e em Santa Catarina. A BRS 155 reduziu em 70% o inibidor de tripsina (fator antinutricional que inibe a digestão de proteínas). Com isso, é possível melhorar a qualidade da proteína da soja. <br> <br>
Outra vantagem é a diminuição do custo de processamento do grão, por causa da redução do tempo com tratamento térmico, processo necessário para baixar o teor do inibidor de tripsina.<br> <br>
A pesquisadora Mercedes Carrão Panizzi, da Embrapa Soja, explica que a BRS 155 já foi testada por uma indústria japonesa para produção de natto, alimento fermentado muito utilizado no Japão. &quot;A variedade foi considerada adequada pelo sabor e textura que ela dá ao produto&quot;, explica.<br>
<br>
</font><font face="arial" size=5>Soja para o consumo humano<br> <br>
</font><font face="arial" size=2>Na última safra, a Embrapa Soja em cooperação técnica e financeira com a Gama Comercial Importadora e Exportadora Ltda, empresa de Londrina, norte do Paraná, passou a testar linhagens (plantas com características fixas) de soja produzidas num sistema de cultivo orgânico e destinadas ao consumo humano.<br> <br>
&quot;É uma iniciativa pioneira da Embrapa Soja no desenvolvimento de linhagens de soja cultivadas em sistema orgânico e com características específicas para o consumo humano&quot;, explica o chefe geral da Embrapa Soja, Caio Vidor.<br>
<br>
O acordo é uma forma de consolidar a proposta da Embrapa Soja de incentivo à produção de soja como alimento humano. &quot;Buscamos perspectivas de utilização desses cultivares em sistemas de agricultura familiar, normalmente beneficiada pelo uso de resíduos orgânicos e baixo consumo de agrotóxicos&quot;, diz.<br>
<br>
O interesse da Gama, no entanto, é na exportação de soja com características próprias para o consumo humano. &quot;Essa parceria representa uma grande conquista, porque até então era difícil conseguir materiais adequados para atender nossos clientes no Brasil e no exterior&quot;, afirma o diretor comercial da empresa, Martin Gardemann.
&quot;Com o desenvolvimento genético desses materiais pela Embrapa, poderemos ampliar a participação brasileira em outros mercados&quot;.<br>

O Instituto Biodinâmico é uma certificadora brasileira que verifica a conformidade dos produtos orgânicos com as normas nacionais e internacionais (Norma 2.092/91 do Mercado Comum Europeu e Diretrizes IFOAM - International Federation of Organic Agriculture Movements). Quando o projeto analisado se enquadra nas normas internacionais, é concedido um selo de qualidade que comprova a procedência dos produtos orgânicos. Essa certificação indica se uma propriedade ou indústria satisfaz as diretrizes de produção e processamento estipuladas pelo instituto.<br> <br>
Característica de cultivo:<br>

* Proteção de fertilidade dos solos a longo prazo, estimulando sua atividade biológica.<br>
<br>
* Intervenção mecanizada cautelosa.<br> <br>
* Fornecimento de nutrientes ao solo em forma natural, não obtidos por processos químicos.<br>
<br>
* Auto-suficiência em nitrogênio pelo uso de leguminosas e inoculação com bactérias fixadoras de nitrogênio e com reciclagem de materiais orgânicos provenientes de resíduos vegetais e estercos animais.<br> <br>
* Controle de doenças, pragas e ervas daninhas pela rotação de culturas, inimigos naturais, diversidade genética, variedades resistentes, adubação orgânica, intervenções biológicas, extratos de plantas e caldas elaboradas com componentes naturais.<br> <br>
* Bem estar das espécies exploradas na criação animal, através de nutrição, tratamento sanitário e condições de vida que respeitem suas características.<br>
<br>
* Atenção especial ao impacto do sistema produtivo sobre o meio ambiente, protegendo a flora e a fauna existentes.<br> <br>
* Condições de trabalho que representem oportunidade de desenvolvimento humano aos envolvidos.<br>
<br>
* Processamento limpo e controlado.<br> <br>
* Extrativismo sustentável.<br>
<br>
 Instituto Biodinâmico

Date: Tue, 9 Jan 2001 09:29:11 -0200

 href="http://parana-online.zip.net/agrícola/agrícola7.htm">http://parana-online.zip.net/agrícola/agrícola7.htm</a><br> </font>Curitiba, 9 a 15 de janeiro de 2001

 

Mais notícias   Associe-se