Projeto quer distribuir 500 kits de compostagem com minhocas para os moradores de Florianópolis


Acúmulo de lixo e o que fazer com ele tem se tornado cada vez mais um problemão para as cidades. Só em Florianópolis são produzidos 183 mil toneladas de lixo convencional por ano, mô quirido. E só 6,85% desse total, segundo estudos da Comcap, são desviados do aterro sanitário, ou seja, que puderam ser reciclados. Ainda há um mundaréu de resíduo que poderia ter um destino melhor. E o lixo orgânico tem tudo para ser um deles.

Os moradores da Capital geram 65 mil toneladas por ano de lixo orgânico, o que corresponde a 35% do total. Desses, 24% são de restos de alimentos e 11% de resíduos verdes como podas, restos de jardinagem e folhas varridas durante a limpeza pública. Bom, com esses números em mãos e com experiências positivas desenvolvidas pela própria Comcap em escolas e associações de moradores, como o trabalho de compostagem de lixo orgânico, por que não ampliar a ideia e atingir ainda mais moradores? Imagina, quirido, uma cidade inteira reciclando seu próprio lixo orgânico e o transformando em adubo, que poderá ser utilizado em hortas comunitárias, hortinha de apartamento e pomares?

Como sonhar não é proibido, a direção da Comcap recebeu um desafio e repassou aos demais encarregados: era preciso trazer ideias inovadoras. O gerente da divisão de informática da autarquia, Marildo Peixe, lançou uma ideia que praticava em casa: vamos distribuir kits de composteiras com minhocas para mais pessoas, e ensiná-las a como reaproveitar seu próprio lixo e, assim, diminuir o envio desse material ao aterro.

Pronto. Estava criada a proposta Minhoca na Cabeça (criada pelo Peixe, que ironia, hein?), e que agora está tendo seu projeto metodológico desenvolvido pela engenheira sanitarista e gerente do departamento de planejamento de gestão e projetos, Karina da Silva de Souza. A ideia é distribuir 500 kits de compostagem com minhocas californianas – que são as ideais para a proposta – para o processo de compostagem de orgânicos. E tudo isso de forma gratuita.

— Estamos montando o projeto e abriremos um cadastro para inscrição no site da Comcap. Os interessados devem se inscrever para receber os kits. Mas não só isso: vamos avaliar se a pessoa já pratica alguma atividade em prol do meio ambiente, se tem esse perfil. Porque não podemos entregar o kit para uma pessoa e ela não usufruir do benefício que ele traz — explicou Karina.

Moradores selecionados passarão por um curso preparatório

Os inscritos serão chamados para uma oficina de compostagem na Comcap, com os educadores ambientais Gilson Kiyzanoski e Guilherme Carioni, que já desenvolvem a atividade no Jardim Botânico de Floripa, no Itacorubi. Segundo Karina, estima-se que serão realizadas em torno de 25 oficinas para os 500 inscritos.

— Os moradores vão fazer sua composteira na oficina e sairão daqui com elas prontas. A ideia é que elas repassem também o conhecimento para outras pessoas. Que isso se transforme num ciclo — complementou Karina.

O projeto será todo acompanhado por uma equipe de especialistas que será montada pela Comcap. Porque a ideia não é só ensinar a prática, mas sim observar o sucesso dela e contabilizar, ao fim do ano, o quanto foi possível desviar de lixo orgânico dos aterros.

A ideia será apresentada nesta semana ao prefeito Gean Loureiro e o objetivo, contou o presidente da Comcap, Carlos Alberto Martins, é transformar o projeto Minhoca na Cabeça numa política pública. Se tudo ocorrer conforme o desejado pela equipe, e com base na produção média de 1,6 quilo de resíduos orgânicos por família por dia na cidade, os 500 moradores vão desviar 292 toneladas de resíduos orgânicos por ano com uma economia direta de R$ 43 mil em transporte até o aterro e redução de 70% na emissão de carbono. Côsa linda, não?

Como funciona a ideia da composteira

Peixe já realiza a compostagem de seu lixo orgânico há cerca de dois anos em casa. Aprendeu a técnica na própria Comcap e afirma: o adubo e o chorume da composteira têm deixado sua horta verdinha, verdinha. Cascas de frutas, restos de comida – sem temperos – casca de ovo, tudo vai para a composteira – que pode ser uma caixa de plástico ou até baldes. Para a mágica acontecer, deve-se misturar o material com folhas secas, por exemplo. E colocar ali as minhocas californianas. Elas são as responsáveis pelo serviço.A ideia será apresentada nesta semana ao prefeito Gean Loureiro e o objetivo, contou o presidente da Comcap, Carlos Alberto Martins, é transformar o projeto Minhoca na Cabeça numa política pública. Se tudo ocorrer conforme o desejado pela equipe, e com base na produção média de 1,6 quilo de resíduos orgânicos por família por dia na cidade, os 500 moradores vão desviar 292 toneladas de resíduos orgânicos por ano com uma economia direta de R$ 43 mil em transporte até o aterro e redução de 70% na emissão de carbono. Côsa linda, não?

Como funciona a ideia da composteira

Peixe já realiza a compostagem de seu lixo orgânico há cerca de dois anos em casa. Aprendeu a técnica na própria Comcap e afirma: o adubo e o chorume da composteira têm deixado sua horta verdinha, verdinha. Cascas de frutas, restos de comida – sem temperos – casca de ovo, tudo vai para a composteira – que pode ser uma caixa de plástico ou até baldes. Para a mágica acontecer, deve-se misturar o material com folhas secas, por exemplo. E colocar ali as minhocas californianas. Elas são as responsáveis pelo serviço.

— Como elas comem o material ainda vivo, ou seja, ela não precisa esperar as cascas apodrecerem para comê-las, o processo é mais rápido. Em torno de três meses elas transformam o material em um riquíssimo adubo e, em seguida, em um líquido que contém uma porção de nutrientes importantes — contou Peixe.

O chorume, o líquido do material orgânico, cai para a terceira caixa da composteira, e para usar como adubo, ele deve ser misturado com uma grande porção de água. São tantos nutrientes, que se jogado purinho na terra, pode até matar as plantas. A medida é de 1 por 10, ou seja, para um litro de chorume, misture 10 litros de água, e aí sim, aplique na terra que quiser.

— A gente vê todos os dias como a compostagem é importante. E se as pessoas começarem a fazer isso em suas casas, será um ciclo. Elas vão ver como é bom cuidar do seu próprio lixo, vão ver a ação da natureza acontecer. E, assim, terão até, quem sabe, vontade de montar uma hortinha — avalia o educador ambiental Gilson.

Segundo Karina, até quem mora em apartamento poderá ter uma composteira do projeto Minhoca na Cabeça. Claro, o ideal é que seja um apezinho com uma sacada ao menos. E não precisa ficar receoso. O adubo e o chorume não possuem cheiro ruim. Com este método, com as minhocas californianas, dificilmente se atrai outros bichos como ratos e baratas.

Fonte:Hora de Santa Catarina em 02-10-2017


Leia Mais:



SIGA NOS

-->