Orgânicos na merenda geram renda para produtor

A adoção do conceito de desenvolvimento rural sustentável – no qual se inclui a produção de orgânicos –, é uma alternativa concreta de geração e agregação de renda para os agricultores familiares. Entre os resultados já obtidos no País, está um projeto pilotado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) com 28 agroindústrias familiares catarinenses que conseguiu agregar uma renda mensal de R$ 500 para cada trabalhador envolvido com a introdução de orgânicos na merenda escolar daquele Estado. SC:

Antes do projeto, a renda dessas famílias não ultrapassava um salário mínimo, ou seja, R$ 240. Além de Santa Catarina, o projeto está sendo ‘exportado’ para outros Estados como Mato Grosso e Alagoas. De 200 mil merendas fornecidas duas vezes por semana, o grupo se prepara para abastecer diariamente as escolas catarinenses com 600 mil merendas. As 28 agroindústrias produzem 70 tipos de orgânicos que vão desde suínos, frangos, ovos, verduras, mel até produtos de panificação.

Segundo a técnica da área de agronegócios do Sebrae Nacional, Lea Lagares, trata-se de um conceito de ‘condomínio’ que agrega de seis a dez famílias de cada agroindústria. "A idéia é integrar produção agroindustrial, agroturismo e artesanato local. Tudo isso seguindo o conceito auto-sustentável de reaproveitar os resíduos como matéria-prima na propriedade rural."


Governo


A adoção da agricultura orgânica pelos pequenos e médios agricultores é incentivada pelo atual governo. Na avaliação dos técnicos do Ministério da Agricultura, como podem valer até 200% mais do que os convencionais nas gôndolas dos supermercados, a produção de orgânicos é uma alternativa rentável. Levantamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), realizado em supermercados em 2001 com 60 produtos, mostrou que 16 produtos orgânicos custavam mais de 200% acima de seu equivalente convencional; 16 valiam de 100% a 200% mais; 17, de 50% a 100% mais; e 11, até 50% mais. Segundo o secretário de Política Agrícola do Ministério, Ivan Wedekin, a opção dos pequenos agricultores brasileiros pela produção orgânica é especialmente atraente no caso de frutas, legumes e verduras. Isso porque esses artigos mesmo produzidos em menor escala têm fôlego para alcançar preço final superior ao equivalente convencional. Ele, no entanto, ressaltou que a associação dos pequenos produtores em cooperativas é necessária para o sucesso no escoamento dos orgânicos.

O secretário lembra que não há política de preço mínimo para alimentos orgânicos. Assim, os supermercados poderiam tentar impor valores. Segundo Wedekin, o mercado mundial de alimentos orgânicos gira por ano US$ 24 bilhões e no Brasil, US$ 300 milhões. Produção livre de agrotóxicos como alternativa mais rentável para os pequenos encontra coro no governo (fonte: Panorama Brasil/DCI 25/04 /04)

Leia Mais:

Mais notícias   Associe-se