SC faz levantamento sobre produtores orgânicos


O Instituto de Planejamento e Economia Agrícola de Santa Catarina (Instituto Cepa/SC) está realizando um levantamento no estado para mapear os produtores orgânicos ligados ao Pronaf - Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar. O trabalho pretende ainda diagnosticar suas necessidades de capacitação, obter informações que permitam identificar a necessidade de desenvolvimento de programas de capacitação envolvidos nos diferentes segmentos da cadeia produtiva de produtos orgânicos, entre outros itens.

O trabalho quer formar um banco de dados, que sirva de marco inicial para o apoio do setor e apontar vantagens, limitações e oportunidades do sistema para os agricultores familiares das diferentes regiões do estado, fazendo da agricultura orgânica uma alternativa para agregar valor, preservando o meio ambiente. A previsão é que o trabalho seja concluído em agosto.


De acordo com a Consultora do Instituto Cepa/SC, Ana Carla Oltramari, esse estudo inédito no estado, está sendo efetuado através de aplicação de questionários junto aos produtores rurais. Esse questionário tem como intuito o levantamento de informações referentes ao mapeamento dos agricultores e propriedades orgânicas vinculadas ao Pronaf, levantamento das dificuldades encontradas na prática da agricultura orgânica, levantamento de dados referentes a certificação e marcas, caracterização da propriedade quanto ao uso do solo, utilização da mão de obra e necessidade de treinamento, produção orgânica de origem vegetal (olerícolas, plantas medicinais, frutíferas e grãos), produção orgânica de origem animal, derivados da produção vegetal e animal, destino da produção orgânica animal e vegetal, destino da produção por tipo de produto e práticas e tratos culturais utilizados na agricultura orgânica.


Além do Instituto Cepa/SC esse trabalho está sendo realizado com apoio da Epagri, Agreco, Cepagri, Rede Ecovida e outras organizações, em parceria com o Pronaf.


Santa Catarina é composta por 293 municípios que estão distribuídos em regiões que diferem entre si, em termos sócio-econômicos, ambientais e culturais. Atualmente cerca de 5 milhoes de pessoas vivem no estado, 25% se encontram no meio rural. Há 30 anos essa percentagem era de 60%.


Segundo o Censo Agropecuário de 1995/1996, o estado caracteriza-se pela predominância de pequenas unidades de produção de caráter familiar ( até 50 ha), que representam 89,7% do total de estabelecimentos rurais.


Segundo Ana Carla Oltramari, as deficiências estruturais da agricultura catarinense, como a predominância de minifúndios e a topografia acidentada, limitam o número de produtores capazes de se manter competitivos produzindo commodities ou produtos de baixo valor. Entretanto novas oportunidades surgem com a evolução do cenário internacional na produção de alimentos orgânicos ou biológicos.


No estado, a agricultura orgânica foi introduzida e divulgada, primeiramente, por organizações não-governamentais e, mais recentemente, por órgãos governamentais.


A Associação dos Agricultores Ecológicos, das Encostas da Serra Geral (Agreco), fundada em 1996 no município de Santa Rosa do Sul, congrega 11 municípios localizados nas encostas da Serra Geral, entre Alfredo Wagner e Praia Grande. A associação tem hoje 27 agroindústrias, filiadas com 200 famílias de agricultores, sendo uma grande fornecedora produtos orgânicos, tais como: frutas, mel, açúcar mascavo, gengibre, conservas, cachaças e geléia.


Os produtos são comercializados em grandes redes de supermercados, como Carrefour, Zaffari, Pão de Açúcar, Angeloni e pequenos mercados.


Em abril de 1999, foi lançada no estado a Rede Ecovida de Agroecologia, que congrega diversas organizações e profissionais ligados à agroecologia. Atua em 50 municípios, comn 60 grupos e associações, e tem um envolvimento direto de 600 famílias. A Rede possui um sistema de certificação participativa, ou seja, a responsabilidade de garantir qualidade do produto não é somente do técnico, mas também do agricultor e do consumidor.


A Epagri - Empresa de Pesquisa Agropecuária e Extensão Rural de Santa Catarina - possui linhas de trabalho na área de produção agroecológica, com diferentes subprojetos de pesquisa e cursos profissionalizantes.


Segundo dados deste órgão de 2001, estima-se que existam cerca de 40 associações de agricultores orgânicos, perfazendo um total de 1.000 famílias rurais, além de inúmeros produtores e empreendimentos independentes, em várias regiões do estado. "O estado possui grande potencial para atender a esse crescente mercado de produtos orgânicos, principalmente por se constituir de pequenas propriedades rurais e possuir uma grande diversidade de condições agroecológicas favoráveis, vias de transporte, portos e proximidade dos grandes centros urbanos", disse Ana Carla Oltramari. (fonte: Instituto Cepa/SC)


Leia Mais:



Rede de Agricultura Sustentável
É um serviço de Cristiano Gomes e L&C Soluções Socioambientais

Siga-nos Twiiter rss Facebook Google+