Inovação e certificação orgânica na produção de inhame são temas de seminário em Alagoas
Famílias que participam do APL Inhame serão orientados sobre a certificação e o manejo sustentável

Produtores de inhame do Vale do Paraíba, em Alagoas, participam, na próxima quinta, dia 21, do Seminário Regional da Cultura do Inhame. A ação será realizada no município de Paulo Jacinto e tem como objetivo informar os agricultores familiares sobre as inovações de acesso ao mercado e a certificação orgânica do produto.

O evento pretende fazer uma conexão entre o produtor e as novas tecnologias de manejo sustentável para o aumento da produtividade. A programação inclui palestras sobre comercialização de produtos da agricultura familiar para merenda escolar e para a rede de supermercados Wal-Mart, entre outras.

Segundo Manoel Ramalho, responsável pelo Arranjo Produtivo Local Inhame no Vale do Paraíba, o seminário contribuirá ainda mais para o desenvolvimento sustentável das 150 famílias envolvidas no neste APL.

– Inicialmente essas famílias vendiam só em pequenas feiras. Com o auxílio do Sebrae em Alagoas e parceiros, elas puderam se organizar para atender outras demandas, como as compras da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), de prefeituras, com o projeto de agricultura familiar para a merenda escolar, e finalmente de redes de supermercado como o Wal-Mart. Nosso objetivo agora é prepará-las ainda mais para o mercado competitivo, mostrando os melhores e novos caminhos a serem seguidos – afirmou Manoel.

O Vale do Paraíba, área de atuação do APL Inhame, envolve noves municípios da região responsáveis pela produção de cerca de 13.660 toneladas de inhame por ano. O município de Paulo Jacinto é o maior produtor de inhame de Alagoas. O Estado de Alagoas produz cerca de 27.172 toneladas de inhame.

O seminário será realizado no Clube Recreativo Paulo Jacinto, a partir das 8h. O evento é gratuito. Informações e inscrições pelo 0800 570 0800 ou (82) 4009-1683.

Certificação

A certificação é um procedimento que atesta que determinada propriedade está em conformidade com a Lei Orgânica e as Instruções Normativas de Produção Animal e Vegetal do Ministério da Agricultura (Decreto 64, de 18 de Dezembro de 2008), garantindo que os alimentos produzidos e comercializados sejam realmente orgânicos. Para os produtores, investir na certificação é criar um diferencial competitivo que dá aos produtos da agricultura familiar melhores condições de inserção no mercado.

Com a transição da produção convencional para produção orgânica, os produtores têm diversos benefícios, como a valorização do produto e a otimização de recursos, entre outros. As frutas, hortaliças e verduras produzidas no método orgânico dispensam ações danosas ao meio ambiente. Além disso, a produção orgânica envolve a preocupação com o contexto social em que ocorre o cultivo e a comercialização dos produtos.

Fonte: Agência Sebrae de Notícias em 16/10/2010 |

Leia Mais:

Mais notícias   Associe-se