Acopiara aposta na mamona para reverter IDH

Acopiara conta com a produção do biodiesel para ajudar a reverter, na zona rural, a posição de 176º lugar em que se encontra o Município no ranking do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) no Ceará. “Temos de reverter o IDH em Acopiara”, disse o prefeito Antônio Almeida, conclamando os produtores a firmar parceria com a Prefeitura, durante o encontro com mais de 300 agricultores no Salão Paroquial, durante no I Seminário Mamona: biodiesel gerando emprego e renda.

“Só conseguiremos mudar esse quadro com a união de todos”, disse o prefeito, ao considerar o seminário um marco, um divisor de águas na história de Acopiara. “Estamos introduzindo uma cultura que vai minorar os problemas no Município, e tem condições de substituir o algodão, sem a monocultura, que foi uma das maiores fontes de renda”, disse Antônio Almeida.

O evento, organizado pela Prefeitura local com a participação do Sindicato de Trabalhadores Rurais, Banco do Brasil, Banco do Nordeste, Sebrae, Ematerce, Brasil EcoDiesel, do deputado Ariosto Holanda, deputado Marcelo Sobreira, Igreja, Maçonaria e outras entidades, deflagrou o programa da mamona no Município. Esta semana será iniciado o cadastramento dos produtores para entrega das sementes ainda este mês, disse o secretário de Agricultura, Luís Gomes.

Ariosto Holanda fez “um apelo” aos produtores de Acopiara para que acreditem no Programa do Biodiesel. “Os grupos da soja, que são organizados e ágeis, com grandes complexos industriais, avançam muito no Centro-Sul”, alertou. A grande vantagem do Nordeste, segundo ele, é que somente na região o governo deu isenção de tributos para a produção da mamona e palma, e para o cultivo da oleaginosa por pequenos agricultores. O deputado disse que não conseguiu a aprovação do projeto de garantir reserva de mercado para o Nordeste suprir 20% das necessidades de biodiesel no País.

O representante da Brasil EcoDiesel, Rogério Sampaio, propôs aos produtores um contrato de dois anos em que a empresa fornece semente e assistência técnica e garante a compra da baga da mamona por R$ 0,55 o quilo. Para Ariosto Holanda, a empresa é séria. Todavia, ele indicou como alternativas que os produtores de Acopiara proponham à EcoDiesel a proposta de venda do óleo bruto extraído no Município e a instalação de uma mini-usina da Prefeitura que poderia ser explorada em comodato por associação ou cooperativa de produtores.


fonte: Diário do Nordeste em 23/01/2005


Leia Mais:



SIGA NOS

-->