Sobras de comida e casca de frutas viram adubo orgânico para a horta escolar


A ETI Duque de Caxias – Caroline Campelo, no Setor Santa Fé II, decidiu pelo reaproveitamento da casca de beterraba, de batatinha, laranja e banana, para compostagem e formação de adubo na horta escolar da unidade. Nesta quarta-feira, 18, foi a primeira colheita de hortaliças com o uso do adubo orgânico.

compostagemSegundo o professor James Paulo, para o processo de adubo com aproveitamento de restos de alimentos, foram adquiridos vasilhames para a compostagem. “Colocamos a estocagem nos baldes e deixamos escorrer o chorume, e isso está funcionando bem”, afirma o educador.

Para o professor Valter Valentino, a horta é uma oportunidade de conscientizar os alunos para a alimentação correta, consumo de orgânicos e o ensino técnico para a produção. Ele percebeu o interesse dos alunos em implantar hortas em casa após as experiências desenvolvidas na escola. “Vários alunos moram em chácaras e incentivamos neles o empreendedorismo rural para promover a produção”, explica.

Quem está prestes a implantar uma horta em casa é o estudante Eduardo Francisco, 13 anos. Ele afirma que sentiu motivação após a experiência com a horta da ETI Duque de Caxias – Caroline Campelo. “Já consegui o adubo, passei pelas experiências e pretendo implantar até o fim deste ano de 2017”, conta o aluno.

A ETI também dispõe do sistema de hidroponia, o cultivo de plantas suspenso, caracterizado por não precisar de solo, pois, as raízes das plantas ficam dentro da água. De acordo com a diretora da unidade escolar, Iranildes Tavares, a ideia é tornar a produção sustentável para atender toda a demanda da alimentação diária dos alunos.

Economia

A horta na própria unidade pode gerar economia nos custos com alimentação escolar. Segundo levantamento realizado pela engenheira ambiental, Mariana Borges, coordenadora do projeto “Roça na Escola”, uma escola com cerca de 1.200 alunos e com produção sustentável pode economizar até R$ 20.450,00 em um ano letivo com os alimentos produzidos na horta escolar, em comparação à compra por meio de licitação (Política de compras na administração pública brasileira).

“Os alunos interagem plantando, cuidando, colhendo e a escola ainda economiza, caso for comprar fora. Além disso, o que vem de fora não sabemos a procedência. Também tenho a intenção de fazer uma horta em casa”, comenta o estudante de 14 anos, Kettson de Jesus.

Se dependesse do aluno Samuel Kevin, 13 anos, todo o gramado da ETI Duque de Caxias – Caroline Campelo seria substituído por hortas e árvores frutíferas. “Melhor até para o paisagismo”, revela.

Custo-benefício (Aproximadamente – alimentação para 1200 alunos)

Cheiro Verde (Cebolinha + Coentro)

10 maços por dia/200 dias letivos

– Por meio de licitação: Custo de R$ 6.000,00 (R$ 3,00 o maço)

– Por meio do Projeto Roça na Escola: Custo de R$ 2.000,00

Economia de R$ 4.000,00 por ano letivo.

Alface

25 pés de alface por dia/100 dias letivos

– Por meio de licitação: Custo de R$ 12.500,00 (R$ 5,00 o saco)

– Por meio do Projeto Roça na Escola: Custo de R$ 5.000,00

Economia de R$ 7.500,00 por ano letivo.

Couve

20 maços por dia/60 dias letivos

– Por meio de licitação: Custo de R$ 5.400,00 (R$ 4,50 o maço)

– Por meio do Projeto Roça na Escola: Custo de R$ 500,00

Economia de R$ 4.900,00 por ano letivo.

Rúcula

10 maços por dia/30 dias letivos

– Por meio de licitação: Custo de R$ 1.350,00 (R$ 4,50 o maço)

– Por meio do Projeto Roça na Escola: Custo de R$ 50,00

Economia de R$ 1.300,00 por ano letivo.

Mandioca

40 kg por dia/20 dias letivos

– Por meio de licitação: Custo de R$ 2.800,00 (R$ 3,50 o kg)

– Por meio do Projeto Roça na Escola: Custo de R$ 50,00

Economia de R$ 2.750,00 por ano letivo.

Total de economia: R$ 20.450,00 por ano letivo

Fonte:Semed de Duque de Caxias em 18-10-2017


Leia Mais:



SIGA NOS

-->