Grife ecológica dissemina a cultura brasileira

Fazer uma grife com a cara do Brasil. Ensinar a cultura popular e valores para as crianças. Desenvolver um produto ecológico que não agrida o meio ambiente, utilizando matérias primas naturais. A grife Pistache & Banana (www.pistachebanana.com.br) conseguiu juntar todos esses valores em um mesmo projeto e ser uma das primeiras a produzir moda infantil com produtos ecologicamente corretos.

A estilista responsável por desenvolver a marca, Juliana Pássaro, conta que a idéia nasceu após seu mestrado na Inglaterra. "Meu objetivo foi trazer a riqueza natural e cultural do Brasil para a moda infantil e, além disso, desenvolver o conceito do comércio justo", diz ela que há dois anos lançou a grife.

Baseado nas regras de entidades internacionais, o comércio justo visa principalmente o diálogo entre o pequeno produtor, buscando viabilizar o bem-estar das famílias: os trabalhadores recebem uma quantia justa para que possam ter acesso a itens básicos, como educação e saúde de qualidade.

Para trabalhar com o conceito, a grife procura fazer parcerias com cooperativas que compartilhem da mesma opinião: produzir sem agredir o meio ambiente. Uma dessas parcerias é com a Cooperativa Agroindustrial de Goioerê (Coagel), no estado do Paraná. Para o tecnólogo ambiental da Coagel, Eduardo Gomes, "é muito importante fazer parcerias, é uma forma de apoiar o pequeno produtor e resgatar a cultura familiar que já estava entrando em extinção. Com o apoio, a família pode se manter no campo".

"Os trabalhadores são responsáveis por produzir o algodão orgânico usado na tecelagem das peças", conta Pássaro. O algodão é produzido sem uso de agrotóxicos, adubos químicos ou outros aditivos que possam prejudicar o solo, animais, água e o homem. A grife trabalha também com cooperativas de costureiras e bordadeiras para a confecção das roupas.

Com duas coleções lançadas, a grife produziu 10 mil peças de 80 modelos diferentes. Os planos são de quadruplicar o número de peças esse ano já que a empresa, além de vender para o mercado interno, vai continuar exportando para países como França, Inglaterra e África do Sul. A estilista pretende sofisticar ainda mais o trabalho feito pela preservação do meio ambiente. "Agora, estudamos usar, além do algodão orgânico, tintura natural em todas as peças", revela. (www.pistachebanana.com.br)

Por Ana Loiola, do Aprendiz

Fonte:Jornal do Meio Ambiente em 16/1/2007


Leia Mais:



Rede de Agricultura Sustentável
É um serviço de Cristiano Gomes e L&C Soluções Socioambientais

Siga-nos Twiiter rss Facebook Google+