Mercado de cafe orgânico sera redefinido

fonte:www.fomezero.org.br - 08/11/2003

O mercado de café orgânico deverá passar por uma redefinição de estratégia para que as vendas do produto decolem no mercado doméstico. Hoje, esse segmento responde por cerca de 100 mil sacas, volume que está estagnado há pelo menos três anos, de acordo com especialistas do setor. "O apelo do café orgânico não é o mesmo de outros produtos orgânicos (cultivados apenas com insumos naturais), como hortaliças e soja, por exemplo", diz Ricardo Cerveira, diretor da Orgânico Consultores.

O produto teve seu "boom" há três anos, no mesmo momento em que o mercado de cafés especiais, os chamados gourmet, despontavam. Hoje, o mercado de gourmet movimenta 300 mil sacas, o triplo do orgânico, com um crescimento estimado em 10% ao ano, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Café (Abic).

O mercado de orgânicos movimenta R$ 430 milhões por ano, com aumento de 30% ao ano, segundo Cerveira. O segmento de café está estagnado. "Os consumidores de orgânicos têm aversão aos transgênicos, o que eleva as vendas de soja e hortaliças. O apelo não é o mesmo para café".

"Pelo preço praticado no mercado, os consumidores estão inclinados a pagar mais pelo grão gourmet que tem um sabor mais encorpado do que pelo orgânico", afirma Nathan Herszkowicz, diretor da Abic. No varejo, o quilo do café orgânico oscila entre R$ 19 e R$ 20; o gourmet está entre R$ 16,50 e R$ 17. O mercado de café torrado e moído convencional também passa por realinhamento, visando a melhor qualidade.

O diretor da Usina São Francisco, Leontino Balbo Jr., discorda do tom crítico atribuído aos cafés orgânicos no país. A usina é detentora da marca Native, que negocia produtos orgânicos, entre os quais açúcar, café e suco de laranja. "Nosso café orgânico é 100% arábica, o que confere a qualidade do produto", diz.

Segundo ele, o processo de produção do grão é diferenciado. Além da produção própria, a empresa trabalha com fornecedores selecionados. "As vendas de café orgânico de nossa empresa estão bem", afirma. Mesmo assim, o empresário reconhece que algumas empresas não conferem a mesma qualidade ao produto.

"Como é fabricado sobretudo para exportação, o café orgânico é preparado para atender às exigências do cliente internacional", observa Cerveira. Cerca de 70% da produção de café orgânico do país é voltado para o mercado externo. A Alemanha é o maior consumidor da Europa, seguido pela Holanda.

Segundo Cerveira, as indústrias terão de definir suas estratégias comerciais. Atualmente, cerca de 15 indústrias negociam orgânicos. "A disposição do café nas gôndolas é bem menor do que as das hortaliças orgânicas, por exemplo", diz. Segundo o consultor, outro desafio é a redução dos custos de produção do café tipo orgânico. No mercado, uma saca do grão varia entre US$ 80 e US$ 130. A saca do café tipo arábica está cotada atualmente a US$ 60 no país.
fontE : www.fomezero.org.br - 07/11/2003

Mais notícias   Associe-se