Município de Viamão tem nova feira de alimentos orgânicos

Os produtos orgânicos da Reforma Agrária estão conquistando cada vez mais espaços em feiras ecológicas na região Metropolitana de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. No Centro da cidade de Viamão, a pouco mais de 22 quilômetros da Capital gaúcha, camponeses do Assentamento Filhos de Sepé inauguraram no final do mês de junho um novo ponto de venda de alimentos livres de agrotóxicos.

A Feira de Orgânicos de Viamão funciona todas as quintas-feiras, das 7h30 às 13 horas, na Praça Júlio de Castilhos, no bairro Centro da cidade. Ela foi construída a partir de uma iniciativa de três certificadoras participativas — Cooperativa Central dos Assentamentos do RS (Coceargs), Rede de Agroecologia EcoVida e Associação dos Produtores da Rede Agroecológica Metropolitana (Rama) —, junto à prefeitura, Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Cooperativa de Trabalho em Serviços Técnicos (Coptec) e Instituto Federal do RS.

“Queremos divulgar a grande produção de orgânicos que tem no Assentamento Filhos de Sepé, o qual é o maior produtor de arroz orgânico do Brasil e ainda não tinha um ponto de comercialização do alimento no próprio município. Também ter relação mais próxima com a sociedade e viabilizar para as famílias que produzem uma renda a mais”, explica o camponês Huli Zang, sobre os objetivos da Coceargs na feira.

Além das famílias assentadas na Reforma Agrária, o espaço abriga bancas de agricultores familiares do município. No local é possível encontrar várias tipos de hortaliças, frutas, mel, ovos, panificios, alimentos minimamente processados, ervas medicinais e condimentares e pelo menos sete variedades de arroz, que são produzidas pelo MST em áreas de assentamentos: rubi, preto, cateto, arbóreo, integral, agulhinha e parboilizado.

Diversidade

Seu José Derli Silveira Alves, de 55 anos de idade, levou à Feira Orgânica de Viamão, na última quinta-feira (13), babosa, beterraba, agrião, feijão, lima, limão, bergamota, laranja, espinafre couve-flor, couve verde e alho poró. Todos os alimentos são produzidos numa horta de aproximadamente 1 hectare, no Assentamento Filhos de Sepé. O preço varia entre R$ 2,50 e R$ 5. Segundo o camponês, a diversidade da produção presente na feira reflete um dos objetivos da luta pela terra: “é para produzir alimentos, para tirar dela o nosso pão de cada dia e ter uma vida mais digna”, diz.

Ainda no lote do seu José há duas hectares de caqui, 300 pés de maracujá e 70 pés de goiaba. Todos produzidos sem o uso de agrotóxicos. “Por que vou usar se não precisa? É tudo orgânico, nunca plantei com veneno, nem meus pais. Você pode pegar isso e comer, que não vai te acontecer nada. Nos outros lugares não se pode fazer isso, porque nunca se sabe ao certo a procedência”, acrescenta ele, segurando um molho de agrião nas mãos. Além da feira na Praça Júlio de Castilhos, seu José também tem ponto de venda de alimentos orgânicos em frente à Igreja Santa Isabel, no bairro Santa Isabel, e no pátio do condomínio Cantegril, no bairro São Lucas, ambos situados em Viamão.

Fonte:Sul21 em 14-07-2017



Leia Mais:




SIGA NOS