Europa defende fertilizantes orgânicos

O plenário do Parlamento Europeu aprova a nova regulamentação europeia que busca promover fertilizantes orgânicos frente aos convencionais.

O plenário do Parlamento Europeu aprovou nesta terça – feira (24/10) a nova regulamentação europeia que busca promover o uso de novos fertilizantes produzidos a partir de materiais orgânicos ou reciclados em comparação com os convencionais.

Os deputados apoiaram com 343 votos a favor, 252 contra e 59 abstenções o mandato de iniciar negociações para rever a diretiva relativa aos adubos com os Estados-Membros, que ainda devem concordar com a sua posição.

O Parlamento Europeu declarou que o atual regulamento abrange principalmente fertilizantes convencionais, extraídos de minas ou produzidos quimicamente, que geralmente são poluentes e consomem muita energia. Além isso, denunciou que as diferenças entre a legislação nacional dificultam a venda de fertilizantes orgânicos na UE.

Assim, a nova diretiva visa aumentar a utilização de materiais reciclados para a produção de fertilizantes e, ao mesmo tempo, reduzir a dependência de nutrientes importados de países terceiros. Também visa facilitar o acesso ao mercado para fertilizantes orgânicos e inovadores.

Da mesma forma, a diretiva estabelece critérios comuns de qualidade, segurança e meio ambiente para fertilizantes com rotulagem que lhes permite ser comercializados no mercado de blocos da Comunidade.

Reduzir a presença de cádmio

As novas regras também permitem aos produtores que não querem vender seus produtos em toda a UE para cumprir as leis nacionais. Os parceiros comunitários continuarão a poder autorizar a comercialização nos seus mercados de fertilizantes que não cumprem os novos regulamentos europeus.

Por último, o Parlamento Europeu pediu uma legislação que inclua uma cláusula que exija à Comissão Europeia avaliar o funcionamento das restrições sobre poluentes e desenvolvimento tecnológico para reduzir a presença de cádmio, um metal pesado encontrado em fertilizantes fosfatados e o que pode representar uma ameaça para a saúde humana e animal.

Os deputados declararam que o teor máximo de cádmio será reduzido de 60 miligramas por quilograma (mg / kg) para 40 mg / kg em 6 anos e 20 mg / kg em 16 anos para permitir que os produtores se adaptem aos novos requisitos.

 Fonte: Ecoavant (25/10/2017)


Leia Mais:

SIGA NOS