No Vale dos Esquecidos, banana transforma vida de comunidade quilombola

Sebrae e Eletronorte ajudam na capacitação e ampliação da colheita com a criação de Centro Comunitário de Produção

São Paulo - O trabalho com a banana está mudando a vida de uma comunidade quilombola localizada a 100 km de Cuiabá. Andrea

Domingas de Oliveira é presidente da Associação dos Agricultores e Agricultoras Afro-Descendentes da Comunidade Tradicional

de Campo Verde, o Vale dos Esquecidos, em Poconé (MT). A associação foi uma das empresas apoiadas pelo Sebrae na

Biofach/Exposustentat, feita de produtos orgânicos que termina nesta sexta-feira (5), em São Paulo.

Na região de 220 hectares moram 14 famílias que vivem da agricultura de subsistência. Em 2006, depois de um curso do projeto

Economia Solidária, os agricultores resolveram criar uma associação e industrializar a banana, criando balas e bananinhas

chips. Hoje a comunidade é referência para outros pequenos agricultores da região.

Com a parceria do Sebrae e da Eletronorte, a Associação ganhará em breve um Centro Comunitário de Produção, um projeto-piloto

da estatal de energia elétrica. Com o centro, a produção atual de 5 mil unidades de banana chips deverá dobrar. "Já fizemos

um plano de negócios com o Sebrae e estamos otimistas, agora atrás de novos mercados", diz Andrea.

O projeto da Eletronorte, diz Kellen de Oliveira, gestora do centro, começou com o programa Luz para Todos, há três anos.

"Com o Luz para Todos, percebemos que uma das ações integradas poderia ser a construção de um centro de produção, otimizando

assim a chegada da luz na comunidade." O projeto-piloto da construção de centros está também no Pará e no Tocantins. Ao todo

serão seis centros comunitários de produção.

Capacitação

Do lado do Sebrae, a capacitação e a ajuda no plano de negócios deu ânimo aos produtores. "Antes do projeto, os produtores

não conseguiam tirar um salário mínimo com a venda dos produtos. Agora quase todo mundo já consegue um salário. Queremos com

o novo centro chegar a dois ou três salários", diz Andrea.

Cynthia Justino, gestora do projeto de orgânicos do Sebrae em Mato Grosso, diz que o Sebrae no estado atua em três regiões:

portal da Amazônia, com 100 cooperados; região Sudestes, com agroecologia (70 famílias) e as comunidades tradicionais –

índios e quilombolas.

Segundo ela, da Biofach participaram nove produtores do Mato Grosso. Além da exposição dos produtos, os empresários tiveram a

oportunidade de visitar grandes empresas, como a loja verde do Grupo Pão de Açúcar. "Eles trouxeram artesanato, castanha de

caju, guaraná, mel e derivados de banana."

Para Cynthia, a participação em feiras é importante porque o pequeno empresário tem contato direto com o mercado, os

concorrentes e novas formas de agregar valor aos seus produtos.

Serviço
Associação dos Agricultores e Agricultoras Afro-Descendentes da Comunidade Tradicional de Campo Verde – (65) 3374 1102 / 9979

2016
Eletronorte – (65) 3317 7256 / 7255
Agência Sebrae de Notícias: (61) 2107 9106 / 2107 9110 / 8118 9821 / 9977 9529
Central de Relacionamento Sebrae: 0800 570 0800

Fonte: Agência Sebrae de Notícias em 05.11.2010 por Beth Matias


Leia Mais:



Rede de Agricultura Sustentável
É um serviço de Cristiano Gomes e L&C Soluções Socioambientais

Siga-nos Twiiter rss Facebook Google+