Trabalho para criação de minhocários tem foco nas escolas da rede pública

Rio de Janeiro - O trabalho da organização não governamental Minhocasa com o Ministério da Ciência e Tecnologia de incentivar a criação de minhocários é voltado às comunidades de baixa renda, com foco nas escolas da rede pública.

O Minhocasa vai fazer adaptações dos kits para sistemas mais rústicos, de modo que as pessoas possam ter em seus quintais a compostagem convencional e o minhocário de baia. “São formas de reciclagem de resíduos acessíveis a todo mundo”, disse o administrador da ONG no Brasil, Cesar Cassab Danna..

Ele ressaltou que o adubo gerado pelo lixo orgânico é de elevada qualidade e pode estar voltando para uma horta doméstica ou uma horta comunitária. “Mais da metade daquilo que a gente produz como lixo é considerado orgânico. A outra metade já tem valor comercial. São os recicláveis, como alumínio, papel, vidro”.

O kit minhocasa é composto de três caixas superpostas e interligadas. Na caixa do meio, minhocas se alimentam do lixo orgânico - formado por restos de alimentos, cascas de frutas e legumes, entre outros produtos -, que acaba se transformando em adubo sólido. O adubo líquido, que seria o chorume do lixo, depois de passar pelo sistema, já sai com o PH neutro, sem mau cheiro e sem ser um poluente potencial.

“Na realidade, ele se torna um biofertilizante na última caixa do kit. Cesar Cassab informou que em 50 dias todo o material orgânico estará decomposto e terá se transformado em adubo.

O kit é fornecido em dois tamanhos. O B está dimensionado para absorver até meio litro de lixo por dia, o que é a média de uma a duas pessoas. “Ou seja, um casal”. O G absorve até um litro de lixo, que é a média de uma família com três a quatro pessoas. Hoje, já existem mais de 4 mil kits em funcionamento em todo o Brasil.

A ONG está abrindo representações no país para tornar mais rápido o acesso das pessoas aos minhocários. “E a política pública é o que a gente almeja”, afirmou Cassab.

A organização Michocasa desenvolve projeto educacional na periferia de Brasília, onde ensina educação ambiental para crianças e jovens de comunidade situada na área rural. A entidade promove cursos, oficinas e palestras e dá consultoria sobre a reciclagem do lixo orgânico.

Fonte: Agência Brasil em 20 de Setembro de 2009


Leia Mais:



SIGA NOS

-->