Entidades defendem sementes crioulas

A Rede Ecovida de Agroecologia e entidades parceiras lançaram nessa quarta-feira (18-10) um manifesto em defesa das sementes crioulas e contra os transgênicos para pressionar a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) a não liberar o plantio comercial do milho geneticamente modificado no Brasil, que está sendo analisado pela comissão. O lançamento do manifesto aconteceu nessa quarta-feira durante a Feira de Sementes Crioulas, realizada no Setor de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Paraná (UFPR), na Capital, como parte das comemorações da Semana Mundial de Alimentação.

A semente crioula é modificada ao longo dos anos sem passar por processos químicos. Segundo o agricultor do município da Lapa, Luiz Carlos Schmidt Bueno, as sementes crioulas são cultivadas por agricultores familiares e são melhoradas através de processos de cruzamento entre as variedades no decorrer dos anos. "As sementes vão se adaptando às mudanças climáticas com o tempo", disse. Segundo ele, através deste procedimento é possível realizar alterações como diminuir a altura da planta, fazer avaliação de doenças com 30 dias de florescimento e aumentar a produtividade.

De acordo com Bueno, as entidades que estavam reunidas ontem em Curitiba, são contra os transgênicos porque acreditam que estes produtos representam uma ameaça à biodiversidade. "Não existem pesquisas suficientes dos transgênicos que apontam que eles não vão ter problemas. Não precisamos de transgênicos na agricultura familiar que já tem muitas variedades de sementes", afirmou. Bueno destacou que no Paraná há 130 variedades de sementes de milho, 50 de batata, 130 de feijão e 30 de arroz.

Ele destacou que as sementes crioulas promovem a independência dos agricultores. Isso porque estas sementes custam menos de R$ 1 o quilo, 10% do valor que custaria se o agricultor fosse comprar no mercado.

Seminário- A Rede Ecovida de Agroecologia também promoveu ontem um seminário com o tema "Investir na agricultura familiar e ecológica para garantir Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável".

A professora do Departamento de Nutrição da UFPR e vice-presidente do Conselho Estadual de Segurança Alimentar e Nutricional, Sílvia do Amaral Rigon, destacou que os agricultores familiares produzem a maior parte dos alimentos consumidos pela população. Ela disse que apesar dos avanços do Pronaf, ainda há pouco apoio governamental para a agricultura familiar. Silvia destacou que a agricultura ecológica é realizada sem o uso de insumos químicos e procura estar em sintonia com os processos da natureza.

Segundo, o Engenheiro Florestal da Associação para o Desenvolvimento da Agroecologia (Aopa), Julian Perez, a proposta do evento é trabalhar a agroecologia como promotora da segurança alimentar. "Os alimentos de qualidade estão diretamente ligados à questão da agroecologia, livres de contaminação e mais ricos em nutrientes", garante. A agroecologia também estimula a diversificação, além de resgatar a cultura alimentar e promover a biodiversidade.

Com a agricultura agroecológica o país teria a possiblidade de produzir alimentos saudavéis para a grande parcela da população, que sofre com falta de alimentos. "Temos várias experiências agroecológicas sendo trabalhadas, que garantem o auto-consumo e o aumento de renda dos agricultores, além de uma alimentação que contribui com as questões sociais e ambientais", explica, Sílvia Rigon.

Fonte: Folha de Londrina em 19/10/06 por Andréa Bertoldi

Mais notícias   Associe-se