Cresce produção de orgânicos em Palmas. Agora é a safra do tomate

tomateProdutores rurais dos Assentamentos Margem do Iratim, Paraíso do Sul e São Lourenço no município de Palmas, sul do Paraná, já colheram três toneladas de tomates orgânicos para atender diversos mercados no Brasil. A atividade é desenvolvida através de uma ação associativa que permite produção em estrutura de baixo custo e utilização de mão de obra familiar. O projeto envolve Poder Público, Emater, Senar e Associação dos Produtores Orgânicos de Palmas(Apropal).

Conforme o Secretário de Agricultura, Edson Cassaniga, é apenas o início da safra e, por isso, ainda não há como projetar de quanto será colhido. Semanalmente, o governo municipal faz o recolhimento da produção que segue para a classificação, certificação antes de ser distribuído aos principais centros consumidores brasileiros.

Um dos fundadores da Associação, Dimorvan Santos, salienta que a atividade tem despertado interesse cada vez maior, com produtores já na lista de espera para ingressar no sistema produtivo alternativo. Destacou a importância das parcerias para o fomento e desenvolvimento da atividade de produção de orgânicos que é desenvolvido no município há quase vinte anos e envolve aproximadamente 40 produtores com certificação orgânica. Destes 16 são dos assentamentos: Margem do Iratim, Paraíso do Sul, os quais estão inseridos no projeto de produção de tomate. Outros produzem diferentes produtos que são comercializados na feira do produtor.

Ao abordar a questão financeira e de produção, Santos salientou que o orgânico tem mercado garantido e com bom retorno para os produtores. Citou que muitas vezes enquanto a produção convencional é descartada, os produtores orgânicos garante sua participação com bom preços. “Houve época que enquanto os produtores convencionais de tomate estavam recebendo R$ 0,30 centavos, os orgânicos ganhavam R$ 3,70 pelo quilo. A cebola que pagava aos produtores R$ 0,17 centavos, os orgânicos recebiam R$ 2,20 o kilo”, disse ele.

Conforme ele, a Apropal não dispõe de recursos financeiros, mas está altamente qualificada para integrar novos interessados e, para isso, é necessário ampliar as parcerias. Antecipou que a associação já está viabilizando projeto para vender diversos produtos embalados para várias regiões do país, o que agregará ainda mais valor à produção loca.

Fonte:RBJ em 02/2019 por Ivan Cezar Fochzato

Etiquetas (Categorias - tags)

Leia Mais:



SIGA-NOS

TwiiterfeedFacebook"Whatsapp 88 9700 9062"pinterestlinkedinInstagramYoutube