Washington pode legalizar uso de corpos para adubar o solo


Se aprovada e sancionada pelo governador, o democrata Jay Inslee, a lei permitirá o uso de corpos humanos no processo de compostagem, técnica usada para enriquecimento do solo.

A proposta é delicada: e se aquele seu parente querido, ao morrer, contribuísse para o processo natural de adubar a terra e, por tabela, enriquecesse árvores, gramas e flores no solo em que fosse depositado? A depender de legisladores do estado de Washington, a ideia tem tudo para sair do papel.

A iniciativa partiu do senador estadual Jamie Pedersen, democrata de Seattle. É dele a legislação que foi aprovada no Senado local no último dia 6 de fevereiro e encaminhada para a Câmara do estado, onde os democratas também são maioria.

Se aprovada e sancionada pelo governador, o democrata Jay Inslee, a lei permitirá o uso de corpos humanos no processo de compostagem, técnica usada para enriquecimento do solo. Seria o primeiro caso nos EUA do que é chamado de recomposição, ou o processo de devolver ao solo matéria orgânica gerada a partir de pessoas mortas.

Pedersen defende que a legislação ampliaria as opções para descarte de restos mortais humanos no estado. A medida permitiria a hidrólise alcalina, ou seja, reduzir as partes em um banho de água e uma base forte, e a recomposição, colocando corpos em um recipiente com matéria orgânica, como lascas de madeira, "acelerando a transição natural para uma terra rica de nutrientes".

Para o legislador, o método é "seguro e mais barato e melhor para o meio ambiente do que um enterro ou cremação". Washington é o estado com maior taxa de cremação dos EUA -o método responde por 76,4% de todos os procedimentos. "Pensar sobre a morte e o descarte dos nossos corpos não é agradável, mas todo mundo vai enfrentar esse problema", afirma.

O processo foi testado por uma equipe de pesquisadores da universidade estadual de Washington liderada por Lynne Carpenter-Boggs, professora de ciência do solo.

No estudo, seis corpos doados para pesquisa foram colocados em um recipiente fechado, embrulhados em material orgânico, como alfafa, e depois banhados por ar aquecido com micróbios. Os corpos eram virados de tempos em tempos. Segundo a pesquisadora, depois de 30 dias, os corpos viraram terra.

"Descobrimos que os métodos essenciais que usamos para compostagem de restos animais também são efetivos para restos humanos", diz a pesquisadora. Ela ressalta que, com a técnica, os familiares e amigos poderão levar consigo um pequeno pedaço da pessoa que morreu e colocar na terra, como se costuma fazer com cinzas de cremação.

A lei encontra entre suas principais defensoras Katrina Spade, presidente da Recompose, uma das primeiras empresas a desenvolver o processo de conversão de restos humanos em adubo. A companhia aguarda a aprovação do método para oferecer seus serviços.

Ela chama a atenção para o aspecto ambiental da proposta, ao apresentar uma opção ao uso de químicos para embalsamar corpos, assim como a cremações que jogam dióxido de carbono na atmosfera e também ao uso intensivo de terras nos cemitérios.

"A recomposição oferece uma alternativa natural, segura e sustentável ao embalsamento e ao enterro ou cremação. E vai resultar em economias significativas de emissões de carbono e uso de terra. Nós queremos trabalhar com nossos líderes estaduais eleitos para aprovar essa nova alternativa às tradicionais práticas pós-morte."

Spade mistura o apelo econômico e ambiental para vender seu modelo de negócios. Ela observa que a cremação exige combustíveis fósseis e emite dióxido de carbono na atmosfera, poluindo e contribuindo para as mudanças climáticas. A recomposição, afirma, usa 12,5% da energia utilizada na cremação e economiza uma tonelada de dióxido de carbono por pessoa.

"Se todo habitante de Washington escolhesse a recomposição após a morte, nós economizaríamos mais de meio milhão de toneladas de dióxido de carbono em dez anos. É o equivalente à energia necessária para alimentar 54 mil casas por um ano", diz a presidente da Recompose, que estima poder abrir uma unidade da empresa em 2020 caso a legislação passe.

Mas a alternativa não necessariamente será a mais barata para os moradores: uma estimativa inicial coloca o custo do procedimento em cerca de US$ 5.000 (o equivalente a R$ 18,8 mil) -inferior ao de um enterro tradicional, porém mais caro do que uma cremação básica.

A questão financeira, no entanto, é só um parêntese num dilema maior, o cultural: como superar os rituais pós-morte que já são tradição para muitas famílias? Nos EUA, há diferenças regionais nesse sentido. Em alguns lugares, como no Sul e no Meio-Oeste, os métodos mais populares são os tradicionais, como caixões e jazigos familiares. No Nordeste, ser enterrado ao lado dos ancestrais em cemitérios também tem forte apelo.

Gary Laderman, professor de história e culturas religiosas americanas da universidade Emory, avalia que saber o que fazer com o corpo é um dos grandes desafios da sociedade. Ele aponta para a diferença de como algumas culturas lidam com a questão. Para os hindus, por exemplo, o corpo deve ser colocado no fogo imediatamente, pela importância dada à reencarnação.

Ele vê com bons olhos a recomposição. "É seguro do ponto de vista ambiental e uma forma de trazer os mortos de volta à natureza. São novas maneiras de pensar e que surgem no mercado. O cenário para rituais de morte é fascinante, há muitas possibilidades agora."

Fonte: Diariodolitoral em 02-03-2019


Etiquetas (Categorias - tags)

Leia Mais:



SIGA-NOS

TwiiterfeedFacebook"Whatsapp 88 9700 9062"pinterestlinkedinInstagramYoutube