Estudo cita Coopernatural como uma das marcas de orgânicos mais lembradas do país


Pesquisa lançada pelo Conselho Brasileiro da Produção Orgânica e Sustentável (Organis) sobre o consumo de produtos orgânicos no Brasil revela que a Cooperativa Vida Natural (Coopernatural) está entre as marcas mais lembradas pelo consumidor brasileiro quando o assunto são produtos orgânicos. O empreendimento é um dos 10 selecionados pela Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário (Sead) para participar do estande coletivo da pasta na Bio Brazil Fair | Biofach América Latina. A cooperativa foi a única marca da agricultura familiar citada pelos entrevistados.

A análise é a primeira feita no Brasil e foi lançada em São Paulo, durante a feira. O evento é considerado o maior no segmento de orgânicos da América Latina e está montado, até este sábado (10), na Bienal. A pesquisa foi feita com 905 pessoas, de 18 a 69 anos, em nove cidades de quatro regiões do país. Para todos, foi feita a pergunta: “quando você pensa em produtos orgânicos, qual é a primeira marca que lhe vêm à mente?”. A Coopernatural foi apontada ao lado de outras 15 marcas de produtos orgânicos.

Segundo presidente da cooperativa, Ricardo Fritsch, a pesquisa é importante para referenciar o setor. “É muito bom não só para a Coopernatural, mas para todo o segmento. É a única empresa da agricultura familiar que foi indicada, ao lado de marcas grandes que estão no mercado. É importante para nos posicionar e, além disso, mostra o resultado de muito trabalho e luta, de muitos anos”, comemora o agricultor. A produção da família Fritsch existe desde 2001, na Rota Romântica, na Serra Gaúcha. No início, o grupo era de apenas 11 famílias. Em 2004, com mais de 20, formaram a cooperativa. Hoje, são 32 famílias.

Eles produzem cervejas, a primeira orgânica certificada no país. Mas não para por ai. São mais de 30 tipos de geleia, com e sem açúcar; nove variedades de sucos; quatro tipos de vinho; quatro de feijão; quatro de arroz; farinhas feitas de arroz e milho; melado; açúcar mascavo e cinco variedades de doces em calda. 

Para a consultora de Promoção Comercial da Sead, Mônica Batista, ter uma marca da agricultura familiar na lista das mais lembradas pelo consumidor reforça a tendência da população em priorizar o que é mais saudável e com qualidade certificada, além de valorizar o trabalho dos produtores rurais. “A agricultura familiar tem conquistado um mercado diferenciado ao longo dos anos, principalmente, o de orgânicos, que está crescendo no país”, observa a consultora. Leia mais sobre a participação da Sead na feira aqui.

Orgânicos

A produção de alimentos orgânicos no Brasil tem tudo para colher ótimos resultados em 2017. Segundo levantamento feito pela Coordenação de Agroecologia (Coagre) da Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo (SDC), vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), a área de produção orgânica no país pode ultrapassar os 750 mil hectares registrados em 2016, impulsionada, principalmente, pela agricultura familiar.

Segundo a Coagre, houve um salto de 6.700 mil unidades (2013) para aproximadamente 15.700 (2016). Ou seja, em apenas três anos, foi registrado mais do que o dobro de crescimento deste tipo de plantio em solo brasileiro. No ranking das regiões que mais produzem alimentos orgânicos, o Sudeste fica em primeiro lugar, totalizando 333 mil hectares e 2.729 registros de produtores no Cadastro Nacional de Produtores Orgânicos (CNPO). Na sequência, as regiões Norte (158 mil hectares), Nordeste (118,4 mil), Centro-Oeste (101,8 mil) e Sul (37,6 mil). Hoje, cerca de 75% dos produtores cadastrados no CNPO são agricultores familiares.

Camila Costa
Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário
Assessoria de Comunicação
Contatos: (61) 2020-0128 / 0127 e [email protected]


Leia Mais:



SIGA NOS

-->