Um cogumelo biológico chinês

A agricultura biológica que a estratégia do Governo promove tem muito pouco de sustentável.

O Governo de Portugal lançou recentemente uma Estratégia Nacional para a Agricultura Biológica. Como é próprio de um Estado socialista, temos uma vez mais o Governo a ditar o que devem os privados fazer e que estratégias devem seguir. Afinal, os empresários não sabem bem o que fazer com o seu dinheiro e o Estado sente a necessidade de os instruir.

Agora, num tema de pouca importância, a nossa alimentação — afinal nem todos comemos, não é? —, temos num documento estratégico do Estado a total confusão entre ciência, política e ideologia. Naturalmente a tão natural agricultura biológica viu-se uma vez mais alvo de tantos elogios públicos. E se eu resolver discordar? Devo dizer que esta não é nem tem de ser uma prática mais amiga do ambiente, quando comparada com uma agricultura de grande aplicação tecnológica.

Fatores como a vida do solo, a qualidade dos alimentos e o preço final dos bens (questão essencial no que respeita à alimentação das populações mais carenciadas) em nada beneficiam com uma agricultura orgânica. Naturalmente que, tendo esta um espaço crescente junto do consumidor — eu mesmo fui agricultor biológico —, deve ter o seu espaço na produção, mas para isso a União Europeia já a inunda de dinheiros públicos. Se o preço final dos produtos é, também ele, superior ao convencional, para quê meter ainda mais dinheiro nacional neste cesto?

Naturalmente, nada tenho contra uma agricultura moderna e biológica. Mas o que significam 70% de “área biológica” serem pastagens? Ou ainda 0,6% e 1,5% serem, respetivamente, de horticultura e fruticultura? Eu atiro uma pedra ao charco: a esmagadora maioria destes agricultores vê neste tipo de agricultura uma forma de receber mais um subsídio tão importante para a rentabilidade das suas explorações. Deve, pois, concluir-se que a verdadeira produção de alimentos biológicos ainda não acontece em Portugal.

Como é sabido, as importações aumentaram mais de 730% entre 2014 e 2016, com a maioria dos produtos a serem comprados à China. Quando o Governo se propõe colocar uma “percentagem de produtos biológicos no novo regime de frutas e leite nas escolas, prevendo-se igualmente fomentar a incorporação destes produtos nas ementas dos refeitórios públicos e incentivar a criação de ementas biológicas nos refeitórios”, pretende assim colocar um bonito cogumelo chinês no prato dos alunos portugueses? Não seria mais sustentável promover antes e só a agricultura nacional? Por exemplo, em escolas alentejanas, a carne consumida pelos alunos ser do Alentejo? Ou numa escola açoriana o leite provir de uma cooperativa dos Açores?

Fonte:Público.pt em 06-04-2017

Leia Mais:

SIGA NOS