Coco orgânico apresenta bons resultados



Coco orgânico apresenta bons resultados


O cultivo de produtos orgânicos em substituição à agricultura convencional é a estratégia encontrada pelas Fazendas Reunidas Nossa Senhora da Conceição, Santa Terezinha e Sítio Jr. para ampliar os resultados obtidos com a plantação de coco. Situadas em Jandaíra, litoral norte baiano, as fazendas já contabilizam, em períodos de chuvas, uma produção anual de 100 frutos por árvore, na área de coqueiros híbridos.

O número significa um recorde em toda a região onde está situado o empreendimento, de acordo com o empresário José Rabêlo de Santana, sócio-gerente das fazendas. Depois de atuar por 24 anos em agropecuária tradicional, ele começou a investir no manejo orgânico a partir de 1996, eliminando o uso de fertilizantes e produtos químicos. Santana destaca que, além de promover o bem-estar e a saúde, a independência do empreendimento em relação ao uso de substâncias tóxicas resulta em redução significativa de custos de produção, tornando o cultivo viável economicamente, principalmente considerando que os agrotóxicos e agroquímicos têm seu valor em dólar. O empresário cita ainda como benefícios o incremento da produção e da produtividade das fazendas e ainda a eliminação de várias pragas e doenças. "A adoção da agricultura orgânica também é uma forma de superar, através deste diferencial, problemas como a redução dos preços do coco no mercado e o constante aumento nos custos dos insumos usados pela agricultura tradicional", afirma. Plantas Com uma área total de 1.160 hectares, o empreendimento cultiva 12 mil coqueiros gigantes (o chamado coco-da-baía), 15 mil coqueiros híbridos de Kiepp e 6,5 mil coqueiros do tipo anão-verde. Desse total, cerca de 12 mil plantas ainda se encontram em fase de desenvolvimento. A empresa cultiva também mudas originadas de plantas selecionadas e com melhores características comerciais.

As mudas são utilizadas no plantio de novas áreas e replantio das já existentes. "O resultado despertou até o interesse dos vizinhos e visitantes, daí a decisão de transformar a produção de mudas numa atividade comercial", conta Santana. As mudas são produzidas por encomenda, sendo o estoque atual de 20 mil unidades. O empreendimento também produz 1,8 milhão de frutos de coco verde por ano e 1,5 milhão de frutos secos. A empresa emprega 18 funcionários e registra uma receita bruta anual de R$ 300 mil. Apesar de carro-chefe, o projeto de coco, no entanto, não é o único tocado pelas Fazendas Reunidas. O plano global de produção prevê também o desenvolvimento integrado de atividades como criação de caprinos, cultivo de sementes de leguminosas e de frutas nativas, principalmente mangaba e caju.


fonte: Gazeta Mercantil/Centro-Oeste TERÇA-feira, 18 De Dezembro de 2001


Leia Mais:



Rede de Agricultura Sustentável
É um serviço de Cristiano Gomes e L&C Soluções Socioambientais

Siga-nos Twiiter rss Facebook Google+