Governo e empresários discutem a produção do biodiesel no Brasil

Nos dias 26 e 27 de abril, representantes do governo, empresários, instituições financeiras, pesquisadores e escritórios de advocacia discutirão sobre as estratégias para a produção do biodiesel no Brasil. O encontro "Biodiesel - estratégias para produção e uso no Brasil", organizado pela Unicorp, será em São Paulo, no Jaraguá Convention Center, e tem o objetivo de mostrar as vantagens do combustível para o país, o avanço das pesquisas na área, as tecnologias usadas para o desenvolvimento do combustível, as linhas de incentivo para a produção do biodiesel, entre outros aspectos.

Para falar sobre o assunto, já foram confirmados o subchefe adjunto de ação governamental da Casa Civil da Presidência da República, Rodrigo Augusto Rodrigues; a superintendente de Qualidade da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP), Maria Antonieta Souza; o vice-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Demian Fiocca; o coordenador do projeto de biodiesel da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado da Bahia, Roberto Fortuna Carneiro; o presidente da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo, Fábio de Salles Meireles; Paulo Vasconcellos Neto, Diretor de Project Finance do Banco Espírito Santo; entre outros nomes.

O presidente da Unicorp, José Antônio Campos Chaves, explica que o objetivo do encontro é apresentar opiniões dos vários setores envolvidos na questão do biodiesel brasileiro, mostrar exemplos de sucesso de outros países e colaborar para que essa alternativa de combustível chegue mais rapidamente ao mercado. "São setores que precisam se unir e definir mais rapidamente uma ação que contribuirá para o desenvolvimento econômico e social do país", diz.

O estudo desenvolvido pelo Grupo de Trabalho Interministerial (GTI) da Presidência da República mostra que, a partir dos anos 90, os países, especialmente da Europa, concentraram esforços para avançar na produção e uso do biodiesel. "Essa tendência foi resultado de vários fatores, como a preocupação com o efeito estufa, as guerras no Oriente Médio, que afetavam diretamente os principais países produtores de petróleo, e a consolidação do conceito de desenvolvimento sustentável", avalia Chaves

Ainda de acordo com o estudo do GTI, a União Européia incentiva a produção e o consumo do biodiesel, por meio de incentivos tributários e alterações na legislação do meio ambiente. Hoje, o total de biodiesel produzido na Europa ultrapassa 1 bilhão de litros por ano, com um crescimento de aproximadamente 30% entre 1998 e 2002. Nos Estados Unidos e na Argentina, a produção ainda é incipiente, mas já existem planos e iniciativas para incentivar o seu uso.

Aqui no Brasil, diversas pesquisas estão em desenvolvimento, com matérias-primas variadas, como a soja, mamona, amendoim, cana-de-açúcar, dendê, babaçu, entre outros. A partir do trabalho do GTI, foi aprovada uma lei no dia 13 de janeiro de 2005, que dispõe sobre a introdução do biodiesel na matriz energética brasileira, atribuindo a regulação do mercado à ANP. Além disso, o BNDES criou uma linha de apoio para incentivar a produção do biocombustível. Além dos programas do BNDES existem outros como o MODERINFA, PRONAF, FUNTEC e PRODECCOP.

O encontro será realizado em São Paulo, no Jaraguá Convention Center (Rua Martins fontes, 71), das 9h às 19 horas. Informações podem ser obtidas no site: www.unicorp.org.br, e-mail: [email protected], ou fone: (11) 3258-7473.

Confira os palestrantes já confirmados:

- Rodrigo Augusto Rodrigues, subchefe-adjunto de ação governamental da Casa Civil da Presidência da República;

- Maria Antonieta Souza, superintendente de qualidade da Agência Nacional de Petróleo, Gás e Biocombustíveis (ANP);

- Demian Fiocca, vice-presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES);

- Paulo de Tarso Vasconcellos Neto, diretor de project finance no Brasil, no Banco Espírito Santo (Portugal);

- Antonio Rocha, vice-presidente da Associação Brasileira da Geradoras Termelétricas (Abraget);

- Luiz Carlos Corrêa Carvalho, membro do pólo nacional de biocombustíveis da Esalq/Usp de Piracicaba;

- Roberto Fortuna Carneiro, coordenador do projeto Biodiesel, da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação do Estado da Bahia;

- Lício da Costa Raimundo, chefe da assessoria de planejamento de investimentos da Petros - Fundo de Previdência dos Funcionários da Petrobras;

- José Luiz Olivério, vice-presidente de operações da Dedini e diretor da Fiesp;

- Marcelo Fernandez, diretor e líder da área de PPP da Deloitte;

- João Carlos Hope, vice-presidente e diretor de Derivativos da Coimex;

- Sergio Heumann, diretor financeiro da Associação Brasileira dos Produtores Independentes de Energia (Apine);

- David M. Vetter, Phd sênior advisor no Brasil e América Latina da Dexia Bank Credit Local (França);

- Werner Grau Neto, sócio da área ambiental da Pinheiro Neto Advogados;

- Fábio de Salles Meireles, presidente da Federação da Agricultura do Estado de São Paulo;

- Marco Antônio Fujihara, diretor da área de sustentabilidade da PricewaterhouseCoopers;

- Alexandre Malucelli, vice-presidente da J. Malucelli Seguros


Redação
fonte: Agrolink

Fonte: em 11/04/05

Página Anterior   Associe-se  
Rodapé