Altos índices de agrotóxicos impulsionam o consumo de orgânicos no Amazonas



O consumo de alimentos orgânicos tem crescido no mundo inteiro. Longe de ser a moda da vez, esse crescimento vem sendo impulsionado por uma questão bem mais séria, de saúde pública: os elevados índices de agrotóxicos presentes nas frutas e verduras disponibilizadas nas feiras e supermercados. Esta semana uma pesquisa divulgada pela Universidade do Estado do Amazonas (UEA) apontou que mais da metade dos vegetais analisados vendidos no Amazonas têm níveis de agrotóxicos acima do permitido pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A informação preocupou a advogada Luciana Pacheco, 38. Natural de Recife, ela vive com o marido e a filha Isabela, 2, em Manaus há cinco anos e também administra um grupo sobre Qualidade de Vida nas redes sociais, em que troca informações, receitas e compartilha hábitos mais saudáveis com as amigas.

A advogada Luciana Pacheco ao lado da filha: preocupação com a qualidade dos alimentos. “Fiquei bastante preocupada com essa pesquisa porque quase tudo é cheio de agrotóxicos. E a gente faz suco, papinha de criança... Então aqui em casa já tenho essa preocupação. Sempre que posso dou preferência aos orgânicos, mas a gente sabe que são bem mais caros. Tento equilibrar e também planto minhas verduras e ervas para consumo de chás e temperos. Quando não consigo achar, evito comprar os que têm mais alto teor de agrotóxicos e lavo bem”, conta.

A nutricionista Abizair Leonel há anos consome e indica a seus pacientes os alimentos orgânicos. “Além de nutrientes como vitaminas, as frutas e verduras contém fitoquímicos, substâncias que combatem os radicais livres que causam o envelhecimento celular, ajudam a prevenir e combater doenças, fortalecendo o sistema imunológico. Quando os agrotóxicos são adicionados, há a perda desses componentes, então esse alimento perde os efeitos benéficos e ainda pode prejudicar o organismo de quem o consome. Há estudos associando o uso de agrotóxicos a várias doenças como o câncer ”, explica.

Mas o que são orgânicos? Além de serem isentos de insumos artificiais como os adubos químicos e os pesticidas, eles também devem ser livres de drogas veterinárias, hormônios e antibióticos e de organismos geneticamente modificados. Além disso, tem a questão social e sustentável, pois pela legislação brasileira a agricultura orgânica tem de ser feita em propriedade sustentável e trazer benefícios sociais para seus produtores.

Produção própria

Abizair soma o trabalho de nutricionista com o de empresária. Proprietária do Empório Saúde (Rua Rio Purus, 1.100, Vieiralves, fones: 3303-8013/98229-2336), atende os pacientes no consultório e comercializa no local receitas e pratos saudáveis, geleias e pães, todos produzidos com vegetais direto do sítio Canaã, na rodovia BR-174 (Manaus Boa Vista), no qual a família dela mantém produção de orgânicos.

“Abastecemos nosso consumo próprio e o restante da produção é beneficiada e vendida aqui no Empório, em Manaus. Ainda é uma produção pequena, até porque para cultivar esses alimentos é preciso trabalhar o solo e esperar o que a natureza tem para nos dar. Por isso o alimento orgânico acaba encarecendo um pouco. A dica que dou aos meus pacientes, caso não possam comprar orgânicos é plantar o máximo possível. Cultivem hortas orgânicas comunitárias em condomínios. Também indico dar preferência às frutas regionais e da estação. Quando você vê aquele monte de frutas no semáforo é sinal que está na época, então foi usado o mínimo de agrotóxico para produzir aquela fruta. Não adianta, por exemplo, tomar o suco verde de hortaliças contaminadas. Vai tomar suco de agrotóxico”, afirma.

Outra dica da profissional é lavar corretamente os vegetais antes de consumí-los. "O mais importante é lavar, folha por folha com água em ambudância e depois fazer uma imersão com uma colher de sopa de bicarbonato de sódio para um litro de água, colocar de molho os alimentos por quinze minutos e lavar mais uma veza antes de consumir. O bicarbonato ajuda a retirar esses resíduos", ensina.

Delivery de orgânicos

O crescimento da procura por orgânicos levou o engenheiro agrônomo Diego Carvalho a apostar no primeiro delivery desses produtos de Manaus. Proprietário do Sítio Orgânico Santo Expedito, no ramal Nova Esperança, Jorge Teixeira, zona Leste de Manaus, há 11 anos ele cultiva esses alimentos e agora comemora o sucesso do serviço implantado há uma semana.

“A procura está bem grande, inclusive estou fazendo entregas agora. Vejo que cada vez mais a pessoas estão buscando qualidade de vida e saúde no prato”, disse ele.

Para receber os produtos é preciso preencher um formulário na página do Facebook da Feira da Associação dos Produtos Orgânicos no Estado do Amazonas (Apoam), ou por meio do contato 9 8825-1195. Há uma lista com até 28 hortaliças que é modificada semanalmente. É necessário fazer uma compra mínima de R$ 30 e a taxa de entrega é R$ 9,90.

O Estudo

Conforme pesquisa do estudante de Medicina da UEA Carlos Eduardo Teixeira, apresentada essa semana, 52% dos 591 vegetais (hortaliças, frutas, verduras e legumes) analisados apresentaram resíduos de agrotóxicos acima do limite máximo permitido. A pesquisa englobou 21 produtos agrícolas diferentes e identificou 70 tipos de ingredientes ativos de agrotóxico.

Fonte: A Critica em 03/09/2016 por Lucy Rodrigues


Leia Mais:



Rede de Agricultura Sustentável
É um serviço de Cristiano Gomes e L&C Soluções Socioambientais

Siga-nos Twiiter rss Facebook Google+