A visão de uma agricultura sem produtos químicos é rejuvenescida

Países executam projetos inovadores para produzir.

Novas plataformas na internet, bancos comunitários para sementes locais e certificados de produtos orgânicos são algumas das propostas que circulam para relançar a agroecologia.

Dada a dificuldade de explicar certos princípios nos quais a agricultura ecológica se baseia, como a interação entre plantas, animais e pessoas sem a necessidade de usar produtos químicos, os casos práticos lançam luz sobre um modelo eclipsado pelos sistemas intensivos predominantes.

Na Espanha, a plataforma CONECT-e, promovida por diferentes entidades, busca coletar, conservar e transmitir conhecimentos ecológicos tradicionais relacionados a variedades e ecossistemas como em uma Wikipédia.

A pesquisadora da Universidade Autônoma de Barcelona, Petra Benyei, explicou que os usuários registrados podem fornecer informações sobre os arquivos que foram validados por especialistas. "Procuramos resgatar esse conhecimento, que um novo agricultor pode usá-los e que eles permanecem vivos por mais tempo", disse Benyei.

Acrescentou que esta informação, como a gerada pela Spanish Seed Network, "está protegida com uma licença de código aberto para que ninguém a possa registar" como se fosse propriedade deles, o que no futuro poderia servir ao Governo para consultar antes de conceder patentes.

A experiência foi apresentada em Roma, onde foi realizado um simpósio internacional sobre agroecologia com a participação de 700 representantes políticos, econômicos, acadêmicos e sociais.

Programas

Na amostra também houve espaço para revisões sobre um sistema agroflorestal e pecuário para uso comunitário em Santiago del Estero (Argentina), o "Modelo Yapuchiri", que é responsável pelo treinamento dos agricultores locais na Bolívia, ou a conservação dos pantanos através de recuperação de sementes nativas na Colômbia, entre outros.

Na Nicarágua, bancos de sementes crioulas baseados na comunidade estão ajudando os agricultores a preservar e melhorar seus recursos, enquanto em Veracruz (México) cerca de 160 famílias cultivam café com certificação orgânica e na Costa Rica os agricultores são treinados em agricultura de conservação sustentável.

Outro tipo de plataforma é o desenvolvido pela empresa Premium Hortus em Benin, onde seu CEO, Johannes Goudjanou, depende da distribuição de frutas e hortaliças orgânicas a preços competitivos através de um sistema que permite aos assinantes se conectarem a dispositivos eletrônicos, pagar pela compra. e receba em casa. "Qualquer inovação deve ser local e lucrativa", disse Goudjanou em um evento em que pediu aos pequenos agricultores que "pensem mais como empresas" com vistas a resolver problemas de acesso a mercados e outros problemas relacionados à produção e ao clima.

O holandês Nout van der Vaart, da ONG Hivos, pediu reconhecimento oficial do valor da agroecologia e "sua inclusão nos planos de desenvolvimento".

Passos

Ele também pediu para envolver as comunidades locais nessas iniciativas e equipá-las com as capacidades, meios técnicos e recursos financeiros para que possam ser eficientes.

Isabel Andreoni, diretora da Montevidéu Rural, uma instituição pública responsável pela coordenação dos planos de produção na capital uruguaia, destacou a agroecologia como uma "solução" para os problemas de degradação e desigualdade que geraram "o sistema global dominante".

Ele rejeitou a forma de "transferência de tecnologia" característica do capitalismo e, em vez disso, defendeu "a construção social da tecnologia baseada na particularidade de cada território", razão pela qual "políticas públicas em todos os processos são necessárias, da produção ao consumo ".

Segundo o assessor do governo do estado indiano de Andhra Pradesh, Vijay Kumar, "a agroecologia é uma inovação em si mesma, é como nadar contra a corrente, em harmonia com a natureza". Há 6 milhões de agricultores em sua região, a maioria deles familiares, que precisam mudar seu modelo, mas para isso precisam de conhecimento, ele disse.

Fonte:La Razon em 0 9 de maio de 2018

Leia Mais:

SIGA NOS