Contaminando o poço e acabando com as frutas

Será um grande risco se variedades com o gene "terminator" forem introduzidas e autorizadas para plantação em nosso país

/Nagib Nassar ( http://www.geneconserve.pro) é professor titular de Genética da UnB e escreveu este texto para o "JC e-mail":

O mais novo lance das multinacionais produtoras de transgênicosé patentear e vender sementes de "terminator" ou sementes suicidas. São variedades cujas sementes não germinam para dar nova colheita.

Em vista dessa estratégia, o agricultor passa a ser obrigado a comprar das multinacionais, todos os anos, as sementes de que precisará para nova safra, pois as sementes produzidas com gene "terminator" nunca germinarão.

Este tipo de variedade é proibido pela Convenção sobre Biodiversidade das Nações Unidas, pois o gene "terminator", ao contaminar as variedades nativas ou as espécies silvestres, destrói todas as suas reservas gênicas e todos os conjuntos gênicos das populações nativas e silvestres. Sobra apenas a variedade com o gene "terminator".

As variedades com o gene "terminator" adicionam mais uma páginaà corrida das multinacionais para ganhos rápidos e proporcionando grandes riquezas para seus acionistas, que não prestam a atenção ao atual interesse humano e das futuras gerações.

O fato mais grave é que essas corporações pressionam alguns paises, como o Canadá, para aprovar esse tipo de patente e permitir a sua comercialização.

Será um grande risco se variedades com esse gene forem introduzidas e autorizadas para plantação em nosso país.

Algumas das culturas brasileiras mais importantes, como o milho e algodão, são altamente ou parcialmente alogamas.

Ambas as culturas têm suas variedades nativas e indígenas, que contém a maior riqueza da biodiversidade conhecida em nosso planeta.

Introduzir variedades com gene "terminator" dessas culturas no Brasil significa contaminar suas linhagens indígenas e nativas, tornando-as estéreis sem que se propaguem. E, assim, perdemos para sempre a maior reserva genética conhecida do mundo.

As corporações não só contaminam o poço, mas também acabam com as frutas.

Curitiba hospeda em março de 2006 a Conferência das Nações Unidas sobre a biodiversidade. Apelamos para que as nossas autoridades votem pela proibição dessas variedades assassinas e dêem um basta às corporações multinacionais.

Basta de contaminar o poço e assassinar as frutas!

Fonte: JC e-mail 2885, de 31 de Outubro de 2005.

Leia Mais:

Mais Notícias   Associe-se