Ministros divergem sobre transgênicos

Riomar Trindade e agências internacionais

Brasília - Os ministros do presidente Luiz Inácio Lula da Silva têm opiniões bem divergentes quando se trata de abordar o cultivo e a comercialização de produtos geneticamente modificados (OGMs). Ontem, por ocasião do seminário Transgênicos e a Sociedade Brasileira, realizado no Ministério do Planejamento, essas diferenças voltaram a ser expostas.

Enquanto o ministro da Casa Civil, José Dirceu, salientava que o governo não permitirá o plantio de soja transgênica este ano, o ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral, por sua vez, defendia a revisão da atual legislação. Já a titular do Meio Ambiente, Marina Silva, reiterou sua opinião, segundo a qual, a questão dos transgênicos é uma ação do governo e não uma ação ministerial.

"Cabe ao governo abrir espaços para o diálogo e para a divulgação dos conhecimentos científicos", disse Marina Silva. José Dirceu, porém, foi incisivo. "A lei será cumprida, essa é a determinação do presidente da República", declarou Dirceu, lembrando que a medida provisória autorizou apenas a comercialização da soja transgênica gaúcha da atual safra, a 2002/03.

Tema de debate

O ministro da Casa Civil ponderou que essa MP foi elaborada com a participação de todos os setores envolvidos no problema para evitar uma perda estimada em R$ 10 bilhões, porém, com a proibição de futuro plantio. "Todos setores concordaram com a medida provisória e sabiam que iria ser cumprida, porque é a lei."

No seminário promovido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), José Dirceu salientou ainda que o assunto está sendo debatido com os produtores, pelo ministro da Agricultura, Pecuária e do Abastecimento, Roberto Rodrigues. "O governo, como é da nossa natureza, em primeiro lugar dialoga e, em segundo lugar, faz cumprir a lei, não duvidem disso", afirmou.

O ministro da Casa Civil contou que no encontro da última sexta-feira, em Washington, entre o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, o mandatário norte-americano expressou sua opinião a favor dos transgênicos e Lula, a posição brasileira, que é a de discutir o assunto com a sociedade. Dirceu afirmou ser necessário que o Congresso tome uma decisão sobre o assunto até dezembro.

Informações seguras

O ministro da Ciência e Tecnologia, Roberto Amaral considera ser obrigação do Estado transmitir à população informações seguras sobre os alimentos consumidos pela população brasileira. "O governo precisa rever a legislação, organizar normativamente a questão e buscar respostas científicas para os transgênicos", disse Amaral.

fonte:Gazeta Mercantil, 25 de Junho de 2003

peso

Leia Mais:

Mais Notícias   Associe-se