Transgênicos - Organismos Geneticamente Modificados

Notícias publicadas ou recebidas em 16/06/2000


Juiz decide liberar milho argentino
 
O milho importado da Argentina pelas empresas Avipal e Cooperativa Languiru não precisará ser submetido a novos testes de transgenia. O juiz federal da 5ª Vara de Porto Alegre, Cândido Alfredo Silva Leal Júnior, decidiu liberar o produto para comercialização depois de uma audiência com o procurador da República Fábio Bento Alves, o delegado do Ministério da Agricultura, Odalniro Irineu Paz Dutra, e representantes das empresas.

        Durante o encontro, na noite quarta-feira, Dutra detalhou os procedimentos adotados na coleta das cinco amostras que já foram analisadas. Os testes realizados pelo Departamento de Fitossanidade da Faculdade de Agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) tiveram resultado negativo, comprovando que os grãos não eram transgênicos.

        Com os esclarecimentos prestados pelo Ministério da Agricultura e o resultado negativo da primeira avaliação, o Ministério Público Federal considerou afastada a hipótese de transgenia, e garantiu que não pretende recorrer da decisão judicial.

 
CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, SEXTA-FEIRA, 16 DE JUNHO DE 2000

Justiça libera milho argentino
A decisão foi da 5ª Vara de Porto Alegre e permite internalização das cargas 
 
Está liberado o milho importado da Argentina, pertencente às empresas Avipal e Languiru. A decisão foi tomada pelo juiz federal da 5ª Vara de Porto Alegre, Cândido Alfredo Leal Júnior, durante audiência realizada na quarta-feira. Segundo o delegado federal da Agricultura/RS, Odalniro Dutra, agora fica liberada a internalização das cargas e 'o processo está arquivado'.

O delegado foi intimado a prestar esclarecimentos sobre os procedimentos para a coleta de amostras do milho. Ele informou terem sido usadas, as mesmas técnicas na primeira e na segunda análise. 'Testamos o mesmo produto com procedimento iguais, de acordo com as normas da ABNT. Não vejo como obter resultado diferente para ambas'. Com base neste depoimento e nos resultados obtidos nas análises, de que o produto não é transgênico, o juiz Leal Júnior decidiu liberar as cargas. Como foi afastada a hipótese de transgenia, o Ministério Público Federal não pretende recorrer da decisão judicial. O MPF havia solicitado, ontem, após o resultado das análises, o exame de transgenia em mais 21 amostras. O presidente da Asgav, Paulo Vellinho, afirmou que a situação afetou vários setores e não apenas as empresas. À frente da Avipal, Vellinho diz não saber, ainda, se irá entrar com pedido de indenização.

O secretário da Agricultura, José Hermeto Hoffmann, considera temeroso encerrar o processo de investigação sobre o milho importado, sem que esteja afastado 100% do risco de haver grãos transgênicos na carga. Revelou, ainda, que o governo acertou com o laboratório Genetic ID, o envio de amostras coletadas pela Emater no porto de Rio Grande. 'Esperamos que se confirme o laudo negativo, preservando assim a imagem do frango gaúcho.'

 
CORREIO DO POVO
PORTO ALEGRE, SEXTA-FEIRA, 16 DE JUNHO DE 2000

 

Leia Mais:

Mais Notícias   Associe-se