Semente certificada é garantia para obtenção de financiamento

Com a descoberta do cultivo massificado no RS, o Planalto decidiu endurecer com os agricultores.

O Banco do Brasil bateu o martelo contra a soja transgênica. Financiamento de custeio agrícola para a próxima safra, no país inteiro, somente será avaliado se o mutuário apresentar certidão de procedência da semente que plantará.

A revelação, feita ontem, no Agrishow Cerrado, em Rondonópolis, pelo vice-presidente de Agronegócio do BB, Ricardo Conceição, jogou uma pá de cal nas esperanças de quem apostava numa virada de mesa favorável aos organismos modificados geneticamente.

Ricardo Conceição abordou essa questão durante a visita que o presidente do BB, Cássio Casseb, e diretores do BB fizeram ao Agrishow. Conceição explicou que o governo está apertando o torniquete contra a soja transgênica.

Até a safra passada, o banco se limitava a pedir declaração do mutuário de que não estava plantando semente transgênica. Com a descoberta do cultivo massificado no Rio Grande do Sul, o Planalto decidiu endurecer com os agricultores que teimam em burlar a legislação.

Em Mato Grosso não há notificação oficial de cultivo de soja transgênica. Mas, no ano passado, o diretor técnico da Fundação Mato Grosso, Dario Hiromoto, disse que existiriam pelo menos cinco mil hectares plantados em transgênicos.

Ainda em 2002, o presidente da Associação dos Produtores de Sementes de Mato Grosso (Aprosmat), Edeon Vaz Ferreira, denunciou à Delegacia Federal do Ministério da Agricultura, que produtores de Campo Verde, sem vínculos com sua entidade, estariam cultivando soja irrigada para produção de semente modificada geneticamente.

As investigações do ministério não conseguiram locais tais lavouras.

FINANCIAMENTOS - Ricardo Conceição informou que o BB nos primeiros 10 dias de abril financiou R$ 100 milhões em Mato Grosso para compra antecipada de fertilizantes numa espécie de pré-custeio - e para atender os agricultores que cultivam milho safrinha.

Quanto ao Agrishow, citou que o banco opera no recinto da feira com todas as linha de crédito disponibilizadas para a agricultura, incluindo Moderfrota, FCO, custeio agrícola e outros.

Não há limite para o financiamento global durante o Agrishow. A garantia foi dada pelo presidente do banco, Cássio Casseb, diante de dezenas de produtores que não conseguiam esconder o contentamento com o que ouviam.

Segundo ele, no recinto do parque onde se realiza o evento, se concentram clientes das agências de Rondonópolis, de outros municípios de Mato Grosso, e inclusive de estados vizinhos.

Cada caso - avalia - terá tratamento personalizado e de modo mais ágil possível.

A Superintendência do Banco do Brasil em Mato Grosso deverá liberar cerca de R$ 800 milhões para o custeio agrícola da próxima safra estadual. No conjunto, incluindo áreas comercial e industrial, a superintendência despejará aproximadamente R$ 1,3 bilhão nas contas de seus mutuários neste ano.

CASA NOVA Casseb inaugurou ontem, na avenida Lions Internacional, no bairro de Vila Aurora, em Rondonópolis, a terceira agência do BB na cidade. O ato foi prestigiado pela diretoria do banco e autoridades locais.

fonte: Diário de Cuiabá, 11/04/2003

Leia Mais:

Mais Notícias   Associe-se