Transgênicos tem poucas chances no mercado europeu


Especialista diz que produtos que não são transgênicos não devem ser tratados como tal



Em uma entrevista no portal IEG Vu, Secretária Geral da EuropaBio, Joanna Dupont-Inglis, exigiu uma mudança no sistema europeu de aprovação de organismos geneticamente modificados (OGM) e melhorados através de novas técnicas edição genética. Na entrevista, ele reconheceu sua rejeição à decisão do Tribunal de Justiça da União Européia (UE) que afirma que os organismos obtidos por mutagênese constituem um Organismos Geneticamente Modificados (OGM) e devem estar sujeitos às obrigações estabelecidas na Diretriz sobre OGMs.

A decisão equivale a todos os produtos geneticamente modificados com OGM, mesmo que nenhum material genético externo tenha sido inserido. A Dupont-Inglis recorda que o sistema de aprovação da UE para os OGM é tão lento e dispendioso que até as autorizações de importação representam um obstáculo intransponível para as instituições públicas. "Acreditamos que a Diretiva 2001/18 deva regular organismos transgênicos, isto é, organismos com material genético adicional. Entretanto, produtos que não são transgênicos, e que são comparáveis ou indistinguíveis daqueles produzidos por processos naturais e técnicas convencionais, não devem ser tratados como produtos transgênicos”, afirmam.

Além disso, Dupont-Inglis afirma que "todos os produtos classificados como OGMs têm pouca chance de obter acesso equitativo ao mercado europeu". Sendo assim, a EuropaBio acredita firmemente que, para promover os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas de 2030, é necessário e adequado para o efeito, defender a abordagem científica para colher os benefícios de modernas tecnologias, como a biotecnologia.

Nesta linha, Dupont-Inglis destacou as potenciais aplicações promissoras que a edição genoma pode ter sobre o desenvolvimento de frutas e vegetais resistentes a pragas e doenças, produtos com menor potencial alergênico, cereais que usam a água de forma mais eficiente ou culturas com melhores rendimentos e capazes de reduzir o desperdício.

Fonte:Agrolink em 11-07-2019 por Leonardo Gottems

Etiquetas (Categorias - tags)

Leia Mais:



SIGA-NOS

TwiiterfeedFacebook"Whatsapp 88 9700 9062"pinterestlinkedinInstagramYoutube