Chilenos buscam reflorestar o deserto do Atacama

Deserto é o mais seco do mundo

Um "deserto verde" para lutar contra o aquecimento global. É isso que os cientistas chilenos propõem que criaram um pequeno oásis de vegetais com mais de 3.200 metros de altura, no deserto de Atacama, o mais seco do mundo.

Pepper, algaroba, chañares, Taras e diferentes variedades de Atriplex - todas as espécies nativas - crescendo em quatro hectares de este projeto-piloto realizado pela Universidade do Chile e visa combater a desertificação, a captura de gases de efeito estufa e incentivar a reutilização águas residuais de mineração e comunidades próximas. Alguns dos mais adaptados neste deserto inóspito são os atriplex, conhecidos como plantas de sal (no México é chamado de fã), que crescem em qualquer lugar e têm uma alta potência calórica (4.200 e 4.500 kcal / kg). Eles podem ser usados para alimentação animal ou como biomassa para a produção de 'pellet', material orgânico que pode ser usado em processos de produção como biocombustível.

Este deserto verde, localizado em uma das áreas com maior atividade de mineração na região de Antofagasta, no norte do Chile, é irrigado com esgoto do campo de Minera Zaldívar. O projeto visa demonstrar à grande indústria que eles podem contribuir para combater o aquecimento global com plantações florestais no deserto capazes de neutralizar os gases de efeito estufa.

De acordo com o acadêmico do Centro de Estudos do Alto Deserto da Universidade, cubano-chileno Manuel Paneque, algumas das espécies que eles cultivam absorvem aproximadamente nove toneladas de CO2 (dióxido de carbono) por hectare. No laboratório, as plantas que melhor adaptam e produzem mais biomassa são estudadas para gerar florestas áridas com as espécies apropriadas.

Fonte:Agrolink em 28/06/2019 por Leonardo Gottems

Etiquetas (Categorias - tags)

Leia Mais:



SIGA-NOS

TwiiterfeedFacebook"Whatsapp 88 9700 9062"pinterestlinkedinInstagramYoutube