Brasil e EUA têm Parceria para Etanol de Celulose

 

A pesquisa do etanol celulósico está no centro da cooperação Brasil e Estados Unidos para combustíveis alternativos. Apesar de o etanol de cana-de-açúcar ter custos inferiores ao celulósico, produtores brasileiros poderão ter um aumento de 40% de produtividade em suas terras ao combinarem a produção dos dois tipos de combustível, diz Alfred Szwarc, assessor da presidência da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Única). Szwarc esteve em Washington para o Encontro sobre Desafios de Tecnologia de Biocombustíveis. Nos EUA, a pesquisa de etanol celulósico é essencial – não há muito espaço para expansão de produção de etanol de milho, já que o preço do grão já está subindo perigosamente, e não há terras disponíveis. No Brasil, ainda há muito espaço para expansão da produção de cana-de-açúcar para etanol – mas a adoção do combustível celulósico elevaria a produtividade. Hoje, uma propriedade de 1 hectare no Centro-Sul produz 85 toneladas de cana ou 6,5 mil litros por ano. Se o bagaço da cana for aproveitado para gerar energia, como já é hoje, mas também para etanol celulósico, a produção pode aumentar de 40% a 100%, diz Szwarc. Etanol de bagaço será uma forma de estimular o mercado de etanol em geral. Em 3 a 4 anos, a Dedini estará produzindo o etanol celulósico em escala comercial numa unidade-piloto em Pirassununga (SP). O Brasil não consegue competir com os EUA em termos de recursos para pesquisa e desenvolvimento; nos EUA, há bilhões para pesquisa de etanol celulósico. A pesquisa é um dos pilares do programa hemisférico do etanol, iniciativa oficializada pelo memorando de entendimento assinado durante a visita de George W. Bush ao Brasil, em março. Mas esse intercâmbio é bem mais promissor do que outro pilar do programa, o de produção de etanol em países da América Central, pelo menos para o setor privado brasileiro. Os custos de produção na América Central ainda são muito maiores e a logística é mais complicada – é bem mais vantajoso investir no Brasil, mesmo com a cota livre de imposto de importação a que países do Caribe têm direito, para exportar para os EUA. Um mercado promissor seria a venda de equipamentos e consultoria do Brasil a países da América Central.

Fonte: OESP, 23.05.2007.


Leia Mais:



SIGA NOS

-->