Planejamento estratégico para o desenvolvimento florestal brasileiro: 504 anos de espera, até quando?

Por Vitor Afonso Hoeflich*

1. Introdução

O setor florestal brasileiro tem como função induzir o desenvolvimento sócio econômico do país, e contribuir para a manutenção de um alto nível da biodiversidade e de equilíbrio ambiental. Estudos indicam que podem ser especificadas várias funções do setor de base florestal, como as que seguem:

- função indutora para o desenvolvimento econômico: pois além de gerar produtos sólidos para a construção civil e movelaria, fibras para papéis e embalagens, produtos químicos, alimentícios e energéticos, esses bens e serviços forem produzidos de forma sustentável e com o menor impacto possível sobre o ambiente;

- função estimuladora do desenvolvimento social: pois engloba temas de grande relevância e diversidade regional, envolvendo pequenas propriedades, e comunidades dependentes de sistemas naturais.

- função contributiva para a manutenção da biodiversidade e do equilíbrio ambiental: que requerem, entre outras, a intensificação de atividades de pesquisa e desenvolvimento que apoiem a criação e manutenção de reservas e áreas de preservação, com embasamento em planos de zoneamento ecológico-econômico;

2. As florestas no Brasil: meio ambiente e produção

A base florestal brasileira contempla florestas naturais e plantadas. Da área total do território nacional, cerca de 66% são cobertos por florestas naturais, 0,5% por florestas plantadas e o restante (33,5%) por outros usos, tais como: agricultura, pecuária, áreas urbanas e infra-estrutura, dentre outros. A isto pode-se acrescentar que cerca de 22% da das espécies da flora e aproximadamente 20% da água do planeta estão em território brasileiro.

Há uma plena convicção particularmente nos meios técnico-científicos e acadêmicos de que as atividades floresto-industriais e os produtos extraídos das florestas para os mais diversos usos (bebidas, fármacos, resinas, ......) fazem do recurso florestal no Brasil, se gerido de forma sustentável, importante e imprescindível fator para o desenvolvimento rural, além de se constituir em suporte para uma indústria transformadora próspera, moderna e competitiva, num contexto de ampla inserção e aceitação social, além de proporcionar importante melhoria dos recursos naturais fundamentais como a água, o solo, o ar a biodiversidade.

Estamos plenamente convencidos de que Floresta com tecnologia é Investimento econômico, social e ambiental; promove a segurança social e alimentar, apoia as ações de conservação do meio ambiente e promove a sustentabilidade do agronegócio brasileiro.

3. Importância sócio-econômica e ambiental do setor florestal brasileiro

O comércio internacional anual de produtos de base florestal é estimado em US$ 290 bilhões.

Estudos e informações setoriais indicam que os vários segmentos do setor florestal brasileiro para os quais se dispõe de estatísticas regulares têm contribuído com:

- US$ 8 bilhões para a composição do PIB Brasileiro (equivalendo a 2% do seu total);

- US$ 5,6 bilhões em exportações (correspondendo a 8,5% das exportações brasileiras);

- US$ 4 bilhões de tributos,

- 7,2 milhões de empregos

Estima-se que em 2003, os principais produtos de base florestal corresponderam a 17% do agronegócio brasileiro e 7,4% das exportações. Os produtos de base florestal constituíram-se no segundo principal grupo que contribuiu para as exportações brasileiras.

O comércio internacional anual de produtos de base florestal é estimado em US$ 290 bilhões. Destes, o Brasil participa com pouco mais de 1,5%.

É igualmente importante ressaltar que estudos avaliaram que para o faturamento de cada R$ 1 milhão, o segmento de papel/celulose/gráficos gera 151 empregos enquanto que para o mesmo valor de faturamento o setor de automóveis/caminhões/ônibus gera apenas 101 empregos. Estes números também ressaltam a importância social do setor florestal.

No contexto ambiental salientam-se as contribuições do setor florestal ressaltam-se as intervenções silviculturais que visam respeitar a manutenção da floresta enquanto recurso indissociável de outros recursos naturais como a água, o solo, o ar, a fauna e a flora, tendo em vista a sua contribuição para a estabilização da fixação do dióxido de carbono e como repositório de diversidade biológica e genética.

Importância estratégica do setor florestal brasileiro

O setor florestal brasileiro constitui-se, certamente, em riqueza estratégica cuja necessidade desenvolvimento reclama a elaboração urgente de um planejamento estratégico pois o desenvolvimento florestal de forma equilibrada, indicando as suas diversas formas de contribuição para o crescimento econômico e social do país, respeitando-se o ordenamento ambiental, com especial ênfase às peculiaridades regionais.

O planejamento estratégico constitui-se em instrumento fundamental para um desenvolvimento rural adequado e, sobretudo, para a conservação dos recursos naturais.

A estes números pode-se acrescentar que:

- o comércio internacional de produtos farmacêuticos produzidos a partir de componentes originários das florestas tropicais está em torno de US$ 40 bilhões por ano,

- o valor da biodiversidade brasileira foi estimado em mais de R$ 4 trilhões ( o que corresponde a mais de 4 vezes o PIB nacional)

O setor florestal brasileiro tem avançada eficiência na silvicultura e nos processos de transformação em vários segmentos produtivos brasileiros, decorrente das inúmeras contribuições da ciência e tecnologia geradas pelas instituições brasileiras o que lhe proporciona vantagens competitivas no cenário mundial.

Com a definição política de se estabelecer um adequado planejamento estratégico para o setor para os próximos decênios, certamente teremos respostas concretas para a ampliação da base florestal e a produção sustentada que atenda à ampliação crescente da demanda de produtos de base florestal, mitigando e até eliminando o déficit anual da ordem de 450 mil hectares ao ano, e os conseqüentes riscos de aumento de importação de matéria-prima e a possibilidade de saídas de empresas do Brasil.

Além das já mencionadas funções estratégicas sociais, o setor de base florestal também tem decisiva contribuição na geração de benefícios ambientais, pois o consumo energético para a produção de madeira chega ser 70 vezes menor que alguns de seus produtos substitutos como alumínio, aço, tijolo ou concreto.

Urge, pois, que se retomem iniciativas paralizadas desde 1993, que preconizavam a elaboração de um planejamento estratégico para o desenvolvimento do setor florestal brasileiro.

* Vitor Afonso Hoeflich é Pesquisador da Embrapa Florestas e Professor da Universidade Federal do Paraná.

fonte: http://www.ibps.com.br/index.asp?idnoticia=2443

 

 

Mais notícias   Associe-se    

Rodapé