Relatório do impacto  ambiental sobre transposição do São Francisco é finalizado*

O Último Segundo teve acesso exclusivo ao projeto cujos custos deverão chegar a R$ 300 milhões no Orçamento para só o ano que vem. No total, a obra está orçada em R$ 2,8 bilhões e deve ser finalizada em cinco anos

BRASÍLIA - O governo recebeu nesta terça-feira o relatório de Impacto Ambiental (Rima) para a transposição das águas do Rio São Francisco. 

O relatório, feito pelo consórcio Jaakko Poyry-Tahal, lista 49 impactos ambientais que serão sentidos na fauna, flora e população da região durante a instalação e operação do projeto, cuja duração deverá ser cinco anos. 

O estudo será agora analisado pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama), orgão responsável pela licença ambiental para o ínicio das obras. 

Segundo o documento a que o Último Segundo teve acesso, o projeto é viável do ponto de vista ambiental. Há uma alta probabilidade da obra gerar empregos e renda na região do sertão nordestino. 

Depois, o sertão teria mais água, a seca seria reduzida e a população ficaria menos exposta a doenças. Nas bacias que receberão as águas do "Velho Chico", haveria aumento da população de peixes. E ao longo de todo o novo rio, a agropecuária renasceria e o exôdo rural diminuiria. 

Os canais a serem construídos possibilitarão a captação de até 64 metros cúbicos de água por segundo do São Francisco em dois pontos diferentes: Cabrobó e barragem de Itaparica. A água será repassada pelo Ceará, Paraíba, Rio Grande do Norte e Permambuco.

* Direitos de Último Segundo (IG) – Notícias sobre a Transposição do São Francisco, 21:14 19/09, Vladimir Netto, repórter iG em Brasília ([email protected])

 
Velho Chico     Associe-se
 

Rodapé

 
   
 

 

 
->