Transposição do São Francisco deve provocar 38 impactos ambientais negativos

A informação é do relatório feito a pedido do governo federal sobre a obra que pretende mudar o curso do maior rio que cruza o nordeste brasileiro

BRASÍLIA

- O Relatório de Impacto Ambiental (Rima) sobre a transposição das águas do Rio São Francisco. De acordo com o documento, produzido a pedido do governo federal, dos 49 impactos ambientais previstos até agora, 38 são negativos. 

Isso significa que quase 80% dos impactos ambientais apontados pelo Ibama serão negativos. E a maior parte deles foi classificada pelo Ibama como de grande intensidade.

São coisas como a perda de áreas de vegetação, redução de habitats da fauna terrestre, redução da biodiversidade. Alteração da qualidade da água, perda de diversidade entre os peixes e a proliferação de uma espécie nociva ao homem: a piranha.

Por fim, há o aumento da tensão social causada pela desapropriação de terras - o rio passa até pelo meio de áreas indígenas - o aumento das doenças durante a realização da obra e um pequeno risco de picadas de cobra. 

O projeto, menina dos olhos do ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra, custará R$ 2,8 bilhões. Esse dinheiro, segundo o governo, virá da privatização da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (Chesf), ainda sem data marcada. 

Os governadores de Estados por onde já corre o São Francisco, antes resistentes devido à redução do nível do rio - que vai mesmo acontecer - já acertaram compensações com o governo e apóiam o projeto. 

Segundo a proposta de orçamento para 2001 enviado ao Congresso, a transposição é o projeto que mais receberá verbas no ano que vem: R$ 300 milhões. 

Os principais pontos do relatório estão nos assuntos relacionados.

*Vladimir Netto, repórter iG em Brasília 21:37 19/09

 
Velho Chico     Associe-se
 

Rodapé