Obra no São Francisco pode trazer risco de aumento de problemas de saúde

As atividades de escavação e aterros provocarão a incidência de poeira, que poderá afetar a saúde da população. Há também um risco de aumento de picadas de cobras, expulsas de seu habitat natural

BRASÍLIA - Vários problemas de saúde acompanharão as obras de transposição das águas do rio São Francisco, segundo o Relatório de Impacto Ambiental (Rima) do governo. Haverá um aumento da população e do tráfego de veículos, o que elevará o risco de acidentes e atropelamentos. 

As atividades de escavação e aterros provocarão a incidência de poeira, que poderá afetar a saúde da população. Há também um risco de aumento de picadas de cobras, expulsas de seu habitat natural. 

Com o aumento da oferta de água durante a implantação do projeto, serão formados muitos açudes, e os rios da região terão mais volume, o que pode facilitar o desenvolvimento de organismos como bactérias e planctôns. 

Isso, segundo o relatório, poderá causar doenças nos seres humanos. Outro fator de preocupação é possibilidade de aumento nos casos de esquistossomose, malária, filariose, febre amarela e dengue. 

Os insetos que transmitem estas doenças precisam de locais de acumulação de água, parada ou em movimento, para reprodução. Segundo o relatório, os canais, reservatórios  e açudes são locais propícios à sua proliferação. 

São previstos também o aumento do risco de doenças sexualmente transmissíveis, como a Aids, fruto do contato entre operários e comunidade local. 

Além disso, é citado o risco de brigas e conflitos culturais. Para enfrentar este problemas, as medidas sugeridas são o acompanhamento da saúde dos 5 000 operários e campanhas de esclarecimento. 

Com tudo isso, a infra-estrutura das cidades próximas será afetada e demandará mais investimentos em saneamento e saúde. 

22:38 19/09

Vladimir Netto, repórter iG em Brasília ([email protected])

 
Velho Chico     Associe-se
 

Rodapé