Pagamento por boas práticas produtivas beneficia famílias no Acre

 

Francisco de Paulo, pescador que vive há 24 anos no município acreano de Manoel Urbano, tem consciência da importância da conservação dos ecossistemas para a qualidade de vida das atuais e futuras gerações. "A floresta é muito importante para nós. Talvez um neto meu queira conhecer a floresta e a gente vai poder mostrar", resume.

Conhecido como Tachico, Francisco de Paulo é um dos beneficiados pelo programa de remuneração por boas práticas produtivas, do Governo do Acre, com apoio do WWF-Brasil. Para se credenciar a participar no programa de certificação ambiental, o pescador recebeu a visita de técnicos da Secretaria de Assistência Técnica e Extensão Agroflorestal (Seater), que passaram orientações de como produzir de maneira sustentável.

Tachico assinou um compromisso de não desmatar ilegalmente sua propriedade, além de não fazer uso de fogo para a lavoura a partir do segundo ano do processo. Além de começar a receber capacitação para um modo de produção mais sustentável e vantajoso financeiramente, o governo ainda remunera os participantes do programa.

No ato de adesão ao sistema, o produtor recebe R$ 250, que corresponde a 50% da primeira parcela do bônus. Os outros R$ 250 são pagos quando o plano de uso da propriedade é concluído, em até até 12 meses após a adesão. A partir do segundo ano de implementação do plano, o participante receberá R$ 600 anuais, durante nove anos.

O dinheiro foi bem utilizado pelo pescador Tachico. "Comprei feijão, um porco, arroz, macaxeira e também paguei um peão para me ajudar no roçado", conta Tachico. Outro morador da região, o também pescador Geraldo Bispo, aderiu ao programa este ano, e já colhe os frutos da iniciativa. "É muito importante receber orientação para a gente continuar a proteger a floresta", disse. Com os R$ 250 que já recebeu, Geraldo quitou dívidas e comprou alimentos para toda a família. "Moro com minha mulher, três filhos e um neto. Uma renda como essa é muito boa pra gente", afirmou.

Mauro Armelin, coordenador do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Sustentável do WWF-Brasil, salienta que um dos objetivos do projeto é fazer com que comunidades locais tenham mais de uma alternativa de renda em sua propriedade, além de auxiliar na conservação dos ecossistemas. "É fundamental oferecer ao morador local opções que possam, do ponto de vista financeiro, fazer frente a atividades predatórias, historicamente mais rentáveis, como a pecuária extensiva de corte, atualmente o principal vetor de desmatamento da Amazônia", avaliou.

Para Nilton Cosson, secretário de Estensão Agroflorestal e Produção Familiar do Acre, o principal objetivo da certificação é gerar inclusão socioprodutiva, integrando conservação da floresta, produtividade, segurança alimentar e aumento na renda familiar.

O projeto Protegendo as Florestas, que também recebe apoio da emissora inglesa de TV SKY News, pretende acrescentar 1 mil famílias às atuais 2 mil beneficiadas pelo programa de certificação ambiental de propriedades rurais no Acre.

Fonte: EPTV em 16/08/2010 - 15:53


Leia Mais:



Rede de Agricultura Sustentável
É um serviço de Cristiano Gomes e L&C Soluções Socioambientais

Siga-nos Twiiter rss Facebook Google+