Discussões da Rede Sobre Sistemas Insulares

 
Postado em: Wed, 3 Nov 1999 12:01:51 -0100

Por: "João G. F. Batista" [email protected]

Bom dia colegas aí no Brasil:

Alguém está interessado em discutir a sustentabilidade de sistemas agrícolas insulares em sentido lato, ou mais restrito (por exemplo, em termos energéticos)?

Saudações João Guilherme Batista Engº Agrónomo Professor Associado da Universidade dos Açores Portugal


Postado em:Wed, 3 Nov 1999 14:58:08 -0200 (EDT)

Por:Jorge A. Wiendl" [email protected]

Para mim interessa principalmente a parte de balanço energético, mas e' um sistema interessante de ser estudado, uma vez que sua troca de matéria com outros sistemas e' praticamente nula. Mas pelo jeito o Sr. já' possui alguma experiência na area, uma vez que pertence a Universidade de Açores, seria interessante contar algumas experiencias dai!

Jorge A. Wiendl


Postado em: Wed, 3 Nov 1999 22:53:04 -0100

Por:"João G. F. Batista" <[email protected]>

Um dos problemas característicos da agricultura insular, como a dos Açores, é a forte dependência dos combustíveis fósseis, o que obriga a olhar para os recursos naturais, que são escassos e cuja exploração pode por em causa a biodiversidade. Uma das nossas linhas de ação, por exemplo, tem sido a da exploração de biomassa fotossinteticamente eficiente, transformando-a em outras formas de energia. A utilização de cogumelos xilófagos como forma de produzir proteína e por outro lado, encurtar os períodos de decomposição de materiais lenho celulósicos, tem sido objeto da nossa atividade durante os últimos anos.

João G. F. Batista


Postado em: Thu, 4 Nov 1999 11:07:47 -0200 (EDT)
 
Por:: "Jorge A. Wiendl" [email protected]
 
Vocês trabalham com a transformação da biomassa em gás, via biodigestores, ou o que? Existem culturas como a cana-de-açúcar que poderiam propiciar a produção de álcool para combustível, e mesmo para a geração de energia? Projetos de centrais eletro-solares, sao viáveis na area? Ou mesmo que seja eólica, ou ate' mare-motriz? Desculpe mas não conheço nada da area dos Açores, então estou curioso para saber as alternativas que os Srs estão encontrando.
 
Atenciosamente Jorge A. Wiendl

Postado em: Thu, 4 Nov 1999 16:30:40 -0100

Por: "João G. F. Batista" [email protected]

No domínio da horticultura, como lhe referi, estamos a transformar a biomassa de plantas fotossinteticamente eficientes e invasoras (caso de Pittosporum undulatum) em proteína (através de cogumelos Pleurotus), balastro para alimentação de ruminantes e no final da cadeia, substrato para a produção de horticolas. No domínio de produção de energia, nos Açores existe produção de electricidade por geotermia, energia eólica e está em construção uma central de energia de marés.

João G. F. Batista


Postado em:Thu, 04 Nov 1999 20:04:13 -0200

Por :Evandro N Silva [email protected]

Caros amigos,

A dependência dos combustíveis fósseis em sistemas agrícolas é muito impulsionada pelo controle químico de pragas e ervas daninhas. Por isso gostaria de compartilhar algumas informações. Cuba: Um exemplo de redução de uso de insumos químicos em agricultura insular

Como muitos devem saber, até antes dos anos 90 Cuba importava quase todo seu petróleo, fertilizantes e pesticidas dos países do bloco "socialista" e ainda recebia incentivos da ex-URSS. Com a derrocada dos regimes "socialistas" do Leste Europeu, Cuba experimentou uma escassez terrível de combustível e insumos para a agricultura. Então o governo resolveu redirecionar os esforços de todas a suas faculdades de agronomia e institutos de pesquisa agropecuária para pesquisarem sistemas alternativos menos dependentes de insumos.

Como resultado, uma das áreas que mais avançou nesse sentido foi a de "proteção de plantas". Foram pesquisados inimigos naturais com potencial para controlar pragas e se passou a produzi-los artesanalmente, de forma descentralizada no país e com a participação de agricultores, estudantes, clubes de mães, etc. Hoje existem em Cuba mais 200 fabriquetas caseiras (os Centros de Produção de Entomófagos e Entomopatégenos) que produzem Bacillus thuringiensis, fungos entomopatogênicos (Beauveria, Metarizum, Poecilomices e Verticilium), baculovirus e umas 15 espécies de predadores e parasitóides, com um custo BARATÏSSIMO. O melhor disso tudo é que os acadêmicos que pesquisam o Controle Biológico dizem que só é tecnicamente viável produzir esses organismos em laboratórios com equipamentos modernos, laboratórios sofisticados, etc. e Cuba está provando o contrário.

Existem também as técnicas de controle cultural que passaram a ser adotadas em massa pelos agricultores (que participam e decidem que tecnologias querem usar) tais como a rotação de culturas, coberturas vivas, mulch, barreiras vivas para evitar o trânsito de insetos entre os cultivos. Existe também a produção de composto orgânico. A biotecnologia também avançou muito por lá. Eles conseguiram produzir uma exotoxina do Bacillus thuringiensis (Bt) específica para alguns insetos (os produtos que existem hoje a base de Bt têm uma endotoxina).

Questões sobre sustentabilidade:

Questão 1: Sendo uma ilha sob embargo econômico e com demanda imediata de alimentos, como garantir a seguridade alimentar da população? Sabemos que seguridade alimentar é um dos pré-requisito para a sustentabilidade socioeconômica de uma sociedade.

O povo cubano passou muita fome entre 1992 e 1994. Uma das respostas para a crise foi estimular a agricultura urbana. Lotes abandonados e terrenos de escolas, igrejas e prédios públicos foram transformados em hortas comunitárias, incluindo em alguns casos produção animal (frango e coelho) resultando em esterco para as hortas, em um sistema integrado. A agricultura urbana já foi usada em outra ilha em situação de crise. Foi na Inglaterra, na II Guerra Mundial, quando a Alemanha tinha invadido toda a Europa e bombardeava a Inglaterra, além de atrapalhar a chegada de carregamentos de navios com comida. Se os cidadão de Londres não tivessem plantado batatinha em lotes urbanos, muita gente teria morrido de fome.

Questão 2:

Podem os componentes políticos de médio e longo prazo interferir na sustentabilidade de um sistema insular?

No caso de Cuba a grande pergunta é: se Fidel Castro e seu regime caírem, o que acontece com todo esse processo se o capital estrangeiro invadir Cuba e a oferta de insumos se regularizar?

Há pessoas que temem que esses passos dados por Cuba não sejam fruto de um processo de transformação de modelo de agricultura e que seja muito mais por falta da opção do modelo agroquímicos. Ou seja, este processo poderia não se sustentar a longo prazo se Cuba volta a ser capitalista, o mercado se abrir e os agricultores voltarem a ter acesso a insumos químicos outra vez, podendo abandonar os sistemas alternativos. Também há o risco de que as terras sejam apropriadas em modelos de latifúndios e se estabeleçam monoculturas tecnificadas de alto uso de insumos. Tudo parece meio incerto para o futuro, mas momentaneamente a agricultura de Cuba experimenta um caminho que poderia levar a um mínimo de sustentabilidade.

A mensagem está muito longa e além do mais não quero que pareça apologia do regime de Fidel. Eu apenas quis trocar informação. Tenho alguns artigos sobre isso em espanhol e português e posso disponibilizar aos interessados.

Um abraço,

Evandro

P.S. Em caso de resposta, enviar uma cópia para: [email protected]


Leia Mais:



SIGA NOS

-->