Pegada de carbono do melão brasileiro x exterior

Melão brasileiro tem pegada de carbono 50% menor que o produzido no exterior.

O melão amarelo que sai da região Jaguaribe-Açu – o principal polo produtor brasileiro da fruta – deixa na atmosfera a metade da quantidade de gases de efeito estufa que a liberada pelo melão do tipo italiano cultivado na região da Sicília, Itália. Outros importantes produtores mundiais apresentam quantidades similares ou até mais emissões que as registradas no Sul da Itália. Veja a comparação no quadro abaixo:

Os dados foram calculados durante um amplo estudo de eficiência ambiental da cultura, realizado dentro de fazendas produtoras do polo Jaguaribe-Açu, pela rede Repensa Melão - um consórcio que reuniu instituições de pesquisa e representantes do setor produtivo. Os dados estão disponíveis na internet em publicação no formato digital.

“A pesquisa atende a uma necessidade dos produtores. Eles desejavam mensurar a eficiência ambiental para garantir espaço em mercados mais exigentes, que buscam produtos com certificados ambientais”, explica a pesquisadora Maria Clea Brito de Figueiredo, da Embrapa Agroindústria Tropical (CE).

Consumo de água também foi avaliado

Além de calcular a pegada de carbono, o estudo incluiu a pegada de escassez hídrica, avaliou 24 diferentes sistemas de produção e chegou a uma proposta de modelos mais eficientes dos pontos de vista ambiental e econômico. Os pesquisadores buscaram sistemas que pudessem ampliar o estoque de carbono no solo, reduzir as emissões de gases de efeito estufa e, consequentemente, reduzir a pegada de carbono no melão brasileiro.

“É um estudo para o setor tomar como referência. Com base nos dados, cada exportador pode calcular sua própria eficiência e atuar para melhorá-la”, salienta Clea Figueiredo. Os pesquisadores acreditam que o impacto pode ser formidável, sobretudo quando for restabelecida a normalidade das chuvas na região, que enfrenta sucessivos anos de estiagem. O polo Jaguaribe-Açu é responsável por cerca de três quartos da área colhida, mais de 80% da produção e a quase totalidade das exportações brasileiras.

Modelo mais verde é o mais lucrativo

Os pesquisadores não só avaliaram a eficiência ambiental do modelo tradicional de produção, mas também buscaram alternativas para reduzir a pegada de carbono e aumentar receitas. Para isso, foram comparados ao sistema tradicional vários modelos alternativos de cultivo. A surpresa do estudo é que o sistema ambientalmente mais eficiente em sequestro de carbono mostrou-se também o mais lucrativo economicamente.

Esse campeão ambiental e econômico foi o sistema de rotação com milho e braquiária, com a incorporação da matéria orgânica no solo, e cultivo do meloeiro com utilização de filme de polietileno (mulching). O modelo de produção, testado na região de Jaguaribe-Açu, apresenta variação positiva no estoque de carbono, considerando o perfil de solo estudado (0-40 cm) e o período monitorado.

A avaliação econômica mostrou que esse sistema de cultivo oferece um aumento de mais de 100% na rentabilidade se comparado ao sistema tradicional, em um cenário considerado favorável (chuvas regulares garantindo água para irrigação e quebra do ciclo das principais pragas). Nesse cenário, o sistema de rotação de milho e braquiária apresenta rentabilidade de 117,90 % e o tradicional, de 59,69%.

Implantação barata

A segunda boa notícia para os produtores é que a implantação dessa alternativa de produção não exige um grande desembolso de recursos. O investimento adicional é de 6%. O estudo usou como indicador de rentabilidade o retorno sobre o investimento (ROI) e levou em consideração cenários favorável e adverso. Avaliou, ainda, o risco dos sistemas mais rentáveis.

O pesquisador da Embrapa Pedro Felizardo Adeodato de Paula Pessoa, um dos responsáveis pela avaliação de viabilidade econômica dos sistemas, explica que uma rentabilidade superior a 20% já é considerada atrativa. “Para compensar os riscos envolvidos, deve ser superior em duas ou três vezes as rentabilidades oferecidas pelas alternativas de investimento mais conservadoras e de baixo risco”, esclarece.

Dados disponíveis na internet

Qualquer produtor ou pesquisador pode ter acesso aos resultados, reunidos no livro “Produção de melão e mudanças climáticas – Sistemas conservacionistas de cultivo para redução das pegadas de carbono e hídrica”, que está disponível gratuitamente para download. A publicação foi editada pela Embrapa e parceiros com apoio da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Participaram desse estudo, além da Embrapa, Universidade Federal Rural do Semiárido (Ufersa), Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte (Emparn) e Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA). A pesquisa sobre pegada de escassez hídrica e de carbono também está sendo realizada com produtores da região do Submédio São Francisco em parceria com a Embrapa Semiárido, para as culturas de melão e manga.

O que é Ecodesign?

Para avaliar a cultura do melão, foi aplicado o conceito de Ecodesign, uma metodologia usada para reduzir o impacto ambiental de produtos e processos tecnológicos, ainda em sua fase de desenvolvimento. Em geral, os estudos de Ecodesign levam em conta toda ou parte da cadeia de suprimento, consumo e pós-consumo, ou seja, o ciclo de vida do produto. Conheça cinco vantagens do Ecodesign:

1 – contribui para o desenvolvimento sustentável. É uma maneira de satisfazer a necessidade dos consumidores por produtos e serviços ambientalmente mais adequados;

2 – reduz custos. A realização de estudos ambientais e de viabilidade econômica na etapa de desenvolvimento de produtos permite a realização de alterações em processos logo no início da pesquisa, quando os custos de realização de mudanças ainda são reduzidos;

3 – contribui para a competitividade das empresas. Empresas ecoeficientes podem se tornar mais competitivas, pois além de reduzir custos, oferecem valor adicional para os consumidores;

4 – não transfere problemas. Como usa a Avaliação do Ciclo de Vida, que observa toda as etapas de existência de um produto, reduz os riscos de adoção de alternativas tecnológicas que apenas transfiram os impactos ambientais ao longo da cadeia;

5 – os resultados dessas avaliações auxiliam em certificações internacionais, como pegada de carbono (ABNT ISO 14067, 2015), pegada hídrica (ISO 14046, 2014) e declaração ambiental de produtos tipo III (ISO 14025, 2006).

Verônica Freire (MTb 01225/CE)

Embrapa Agroindústria Tropical

Contatos para a imprensa

[email protected]

Telefone: (85) 33917116

Mais informações sobre o tema

Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC)

www.embrapa.br/fale-conosco/sac/

Fonte:Embrapa em 17-08-2018

Leia Mais:



SIGA NOS