IMG-LOGO


Palma é nova opção para geração de energia a partir do biogás

IMG

Pesquisadores pernambucanos detectaram capacidade da palma pernambucana gerar espécie de biogás purificado
Lucas Moraes
[email protected]

Publicado em 04/08/2019, às 07h00

Amostras de palma pernambucana chegaram a gerar 65 m³ de gás por tonelada de matéria verde
Amostras de palma pernambucana chegaram a gerar 65 m³ de gás por tonelada de matéria verde
Foto: Divulgação/ Luiz Gondim

Símbolo da resistência no semiárido nordestino, a palma – que mata fome do gado – também tem potencial energético satisfatório aos humanos. Embora não se trate diretamente da alimentação, pesquisadores pernambucanos estão debruçados sobre estudos que assegurem a capacidade da palma como fonte para produção de biogás, e os primeiros resultados são animadores.

Com o ponta-pé inicial dado pelo engenheiro agrônomo e consultor Luiz Gondim, em parceria com um parente que mora na Alemanha, chegou-se à conclusão – após testes realizados naquele país com raquetes de palmas colhidas no Agreste pernambucano – que, a partir de processos fermentativos, a matéria verde produzida pela palma pode ser transformada em um tipo de biogás com aproximadamente 60% de metano, o que proporciona uma capacidade calorífica para geração de eletricidade e calor, se conduzido a um motor de cogeração. Quando tratado, segundo as pesquisas, com a retirada de todo o conteúdo de gás carbônico, o resultado pode ser ainda mais expressivo, chegando ao biometano (biogás purificado) com taxa de 98% de metano ou biometano – mais importante item no caso da queima para geração energética.

“Desde 2004 estamos estudando essa possibilidade. Enchemos uma mala do material coletado em Caruaru e testamos numa empresa alemã. Nessa época, já havia alguns estudos em andamento no Chile que apontavam a capacidade de 45 m³ de biogás por cada tonelada de matéria verde de palma, mas uma das nossas amostras chegou a gerar 65 m³ de gás por tonelada de matéria verde”, conta Gondim.

Fonte energética renovável, o biogás é fruto do processo de decomposição de matéria orgânica utilizada para a produção de energia, a chamada biomassa. No caso da palma forrageira, o processo utilizado para extração se dá através da ação de micro-organismos, em um ambiente com baixa presença de oxigênio: dentro de um biodigestor. “O biogás é armazenado em reservatórios que são feitos geralmente com lonas plásticas grossas, os biodigestores são de fácil aquisição e tem se barateado muito o custo do equipamento. É uma coisa adequada a nossas condições, até porque a cultura da palma para plantação é algo comum”, reforça o pesquisador.

Extraído, o biogás é capaz de - análogo ao gás natural - fazer funcionar máquinas térmicas que, por sua vez, geram energia elétrica. “Após gerado, esse biogás é queimado em turbinas a gás, gerando o processo de combustão como ocorre hoje, normalmente”, explica a consultora de biocombustíveis da Empresa de Pesquisa Energética (EPE), Rachel Henriques. Quanto à liberação de gás metano na atmosfera, o processo de queima do biogás aproveita todo o metano para a geração de energia, com liberação do dióxido de carbono (CO2), 20 vezes menos poluente.

Para que o biogás da palma seja altamente eficiente, pesquisadores do Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) e do Departamento de Energia Nuclear (DEN) da UFPE esperam, agora, a liberação de recursos do CNPQ para continuidade dos estudos que, quando concluídos, podem incrementar o parque energético e a economia no Agreste e Sertão.

“É um leque de pesquisa que se abre sobre a palma como fonte energética. Temos áreas plantadas em Caruaru, Arcoverde e São Bento do Una, e um biodigestor na UFPE. Estamos analisando 50 espécies de palma para saber qual tem mais potencial, e aí divulgar os resultados ao setor produtivo”, conta o pesquisador do IPA Josimar Gurgel.
Potencial

Fonte sustentável para a geração de energia a partir do reaproveitamento de resíduos, o biogás aos poucos tem ganhado espaço na matriz energética brasileira. Tendo como principais frentes as unidades produtoras em aterros sanitários e usinas de cana-de-açúcar, a possibilidade da extração do gás a partir da palma é considerada um bom sinal para descentralização da produção.

“O biogás está na sua melhor época, seja para geração de energia ou outras finalidades. O Brasil tem cada vez mais fontes renováveis intermitentes, e o biogás é não intermitente, sendo gerado de forma descentralizada e perto das áreas de consumo”, analisa o presidente da ABiogás, Alessandro Gardemann. Segundo ele, o mercado de biogás brasileiro tem crescido, em média, 30% ao ano, e já movimenta aproximadamente R$ 700 milhões. “Agora o que se precisa é de fontes de financiamento e aumento do conhecimento. Falta desenvolver uma cadeia, porque o biogás pode substituir tanto o gás natural quanto o óleo combustível, como o diesel. Tem um espaço muito grande a ser aproveitado”, acredita.

De acordo com a EPE, desde 2016, com estímulo da Aneel através da publicação de resolução normativa, a geração distribuída de usinas de biogás cresceu bastante. “Em 2014, tínhamos 0,2 megawatts (MW) de capacidade instalada, agora, em 2019, já estamos em 21,2 MW”, frisa a consultora Raquel.

Para o IPA, a descoberta da palma é mais uma característica que reforça o potencial de renovação do Agreste e Sertão nordestino. “ Ter produção de álcool ou biogás no semiárido, a partir de uma planta altamente adaptada às condições de baixa precipitação, é garantir incremento na renda do produtor local e desenvolvimento social e econômico dessas regiões semiáridas”, aponta Josimar.

 

https://m.jc.ne10.uol.com.br/canal/economia/nacional/noticia/2019/08/04/palma-e-nova-opcao-para-geracao-de-energia-a-partir-do-biogas-384748.php?utm_source=m-jc-ne10-uol-com-br.cdn.ampproject.org&utm_medium=referral&utm_campaign=mobile-redirect

 

Leia Mais: