O bioetanol vem do desperdício de oliveiras

O método usa no processo um produto de San Juan, como a cal. Será apresentado em uma reunião científica

Um grupo de pesquisadores do Instituto de Engenharia Química e do Instituto de Biotecnologia da Faculdade de Engenharia está desenvolvendo um novo processo para obter biocombustíveis a partir dos resíduos da atividade da azeitona.

O método usa cal para obter açúcar da celulose, que contém alperujos (resíduos da produção de óleo) e poda de azeitonas , para transformá-lo em bioetanol , cita o Diário de Cuyo. Embora a investigação esteja em fase experimental, o interessante é que ela promete uma despesa não muito cara no desenvolvimento econômico em escala industrial, pois para sua elaboração também utiliza matéria-prima existente na província, como a cal.

Além disso, o biocombustível obtido do lixo tem as mesmas características da produção de cana-de-açúcar, uma das culturas mais importantes para sua produção. Esta técnica foi desenvolvida por Cristina Deiana, diretor do Master of Technologies e pesquisadores Laura Herrero, Arminda Mamani e Laura Montoro ambientais, e será apresentado com outras pesquisas no II Simpósio de resíduos agrícolas e agroindustriais da NOA e Cuyo.

Começa pela primeira vez em San Juan, até sexta-feira 5 e reunirá aqui 5 pesquisadores nacionais e internacionais qualificados, bem como os referentes do INTA, INTI, Ministérios da Produção, Meio Ambiente, Ciência e Tecnologia e universidades da região. O objetivo deste encontro científico é avançar no tratamento de resíduos agropecuários e efluentes agroindustriais das principais cadeias produtivas dessas áreas.

"Antes de resíduos escondeu debaixo do tapete. Hoje, vemos como elementos potenciais para criar cadeias de valor, e alcançou um forte envolvimento do sector das administrações decisor eo setor produtivo, que gera", disse Paul Monetta, do INTA San Juan.

No caso do etanol obtido a partir de resíduos de oliva, que é de segunda geração; Dois objetivos são unidos: resolver problemas ambientais gerando grandes quantidades de resíduos e aumentando a demanda por combustíveis fósseis que levam à poluição ambiental, fornecendo uma alternativa não poluente, como o biocombustível. Deiana ressaltou que a importância é que ela é obtida justamente a partir do desperdício e não da fermentação do açúcar do milho ou cana-de-açúcar, que é criticada porque compete com a geração de alimentos para a população. Ele acrescentou que a indústria do petróleo em San Juan produz cerca de 90 mil toneladas de alperus, além de outras 39 mil toneladas de restos de poda de azeitona.

Fonte:Elintransigente.com

Leia Mais:

SIGA NOS