Uso do biogás no processo de chamuscagem de suínos

Sistemas biointegrados podem facilitar para atingir a sustentabilidade da produção em função da disponibilidade de biomassa em propriedades agrícolas

A indústria da carne é um dos setores da economia que nos últimos anos tem se destacado devido à alta preocupação com a qualidade de seus produtos para o processamento industrial, aliado à satisfação do consumidor, fator que constitui grande oportunidade de negócio para as empresas do segmento de abate e processamento de carnes em todo o mundo.

De modo geral, as empresas buscam produzir em maior quantidade, em menor tempo, com mais qualidade e com o menor custo possível. Esta atitude proporciona uma evolução constante nas organizações, pois é necessário encontrar meios de reduzir os custos, otimizando os recursos disponíveis e não abrindo mão da qualidade do produto. Diante deste cenário, as empresas precisam estar atentas às opções disponíveis no mercado, focando sempre em inovações.

De acordo com o Serviço de Inspeção Federal (SIF), o Brasil registrou um crescimento de aproximadamente 5,5% no abate de suínos, de 2015 para 2016.

Estes números revelam um aumento da cadeia produtiva de suínos no Brasil nos últimos dois anos. Em consequência, se dá um maior uso de recursos naturais e maior geração de resíduos sólidos e efluentes líquidos na área frigorífica. Para a suinocultura, os sistemas biointegrados, especificamente com aproveitamento de biomassa para fins energéticos, podem ser um meio facilitador para atingir a sustentabilidade da produção em função da disponibilidade de biomassa nas propriedades agrícolas e frigoríficas, por apresentar grande potencial de geração de energia, diminuição no potencial poluidor dos resíduos, redução na pressão sobre os recursos naturais e economia de recursos energéticos.

Geração de biogás

Nas indústrias frigoríficas, mais especificamente em abates de suínos, os dejetos suínos e resíduos do frigorífico classificados como sólidos e os efluentes líquidos gerados nos processos agroindustriais necessitam de tratamento adequado, no intuito de minimizar o impacto ambiental gerado por esta atividade potencialmente poluidora. A instalação de biodigestores é uma alternativa para o tratamento destes resíduos. Porém, a eficiência e a estabilidade do processo de digestão anaeróbia do sistema aplicado dependem de fatores operacionais e ambientais, bem como, temperatura e dimensionamento do biodigestor adotado. Este sistema de geração de biogás até o consumo final no chamuscador propicia benefícios sociais, econômicos e ambientais.

No processo de tratamento dos dejetos, resíduos sólidos e líquidos, grande parte do material orgânico biodegradável que compõe o resíduo é convertida em biogás. O biogás, por sua vez, possui componentes passíveis da aplicação do princípio das energias renováveis, visto o seu poder calorífico e possibilidade de substituição por uma fonte não renovável, como por exemplo, o Gás Liquefeito de Petróleo (GLP).

FonteSuinocultura Industrial em 09/04/2018

Leia Mais:

SIGA NOS