Produção do pimentão adubado com esterco bovino e biofertilizante

Evanduir N. de Araújo1, Ademar P. de Oliveira2, Lourival F. Cavalcante3, Walter E. Pereira3,
Noelma M. de Brito1, Cynthia M. de L. Neves1 & Érllens É. da Silva1

Com o objetivo de avaliar o rendimento do pimentão adubado com esterco bovino na presença e ausência do biofertilizante, conduziu-se um experimento na UFPB, Areia, PB, no período de janeiro a junho de 2004. O delineamento experimental foi de blocos casualizados, com três repetições em parcelas subdivididas. Nas parcelas se avaliaram seis doses de esterco bovino (0, 10, 20, 30, 40 e 50 t ha-1) e, nas subparcelas, os efeitos das aplicações do biofertilizante no solo e via foliar e sua ausência, além de um tratamento adicional com adubação mineral e orgânica. A parcela compunha de 32 e a sub-parcela de 16 plantas, espaçadas 1,00 x 0,50 m. Na ausência de biofertilizante a dose estimada de 28 t ha-l de esterco bovino foi responsável pela produção máxima de frutos por planta (389 g) e produtividade máxima de frutos comerciais (7,8 t ha-l), enquanto na sua presença aplicado via foliar, as doses de 14,5 e 14,0 t ha-l de esterco bovino, respectivamente, proporcionaram produção máxima de frutos por planta de 485 g e produtividade máxima de frutos comerciais de 9,6 t ha-l. Na presença de biofertilizante aplicado no solo, obteve-se produção média de 410, 6 g de frutos por planta e produtividade de 8,3 t ha-l de frutos comerciais, em função das doses de esterco bovino. A combinação esterco bovino e biofertilizante aplicada via foliar, foi a melhor forma de fertilização orgânica no pimentão, com incrementos de 1,8 e 1,3 t ha-l a mais na produtividade de frutos, em relação apenas ao emprego de esterco bovino.

Palavras-chave: Capsicum annuum, adubação orgânica, rendimento

1 Programa em Pós-Graduação em Agronomia, CCA/UFPB, CEP 58.397-000, Areia, PB. Fone: (81) 9912-3907. E-mail: [email protected]
2 Dpto. de Fitotecnia, CCA/UFPB, CP 02, Fone: (83) 3362-2300, ramal 249. E-mail: [email protected]
3 Depto. de Solos e Engenharia Rural, CCA/UFPB. Fone: (83) 3362-2300, ramal 297. E-mail: [email protected]

Fonte: R. Bras. Eng. Agríc. Ambienta
R. Bras. Eng. Agríc. Ambiental, v.11, n.5, p.466–470, 2007.

Versão completa da pesquisa

[Banco de Dados]

Orgânico

Nó do Ramo     Associe-se

Rodapé